A Fábula da Águia e da Galinha

A globalização representa uma etapa nova no processo de cosmogênese e de antropogênuese. Temos que entrar nela. Não do jeito que as potências controladoras do mercado mundial querem -mercado competitivo e nada cooperativo-, apenas interessadas em nossas riquezas materiais, reduzindo-nos a meros consumidores. Nós queremos entrar soberanos e conscientes de nossa possível contribuição ecológica, multicultural e espiritual.

Percebe-se desmesurado entusiasmo do atual governo pela globalização. O presidente fala dela sem as nuances que colocariam em devida luz nossa singularidade. Ele tem capacidade para ser uma voz própria e não o eco da voz dos outros.

Para ele e seus aliados, conto uma história que vem de um pequeno país da África Ocidental, Gana, narrada por um educador popular, James Aggrey, nos inícios deste século, quando se davam os embates pela descolonização. Oxalá os faça pensar.

Era uma vez um camponês que foi à floresta vizinha apanhar um pássaro, a fim de mantê-lo cativo em casa. Conseguiu pegar um filhote de águia. Colocou-o no galinheiro junto às galinhas. Cresceu como uma galinha.
Depois de cinco anos, esse homem recebeu em sua casa a visita de um naturalista. Enquanto passeavam pelo jardim, disse o naturalista: “Esse pássaro aí não é uma galinha. É uma águia”.

“De fato”, disse o homem. “É uma águia. Mas eu a criei como galinha. Ela não é mais águia. É uma galinha como as outras.”

“Não”, retrucou o naturalista. “Ela é e será sempre uma águia. Pois tem um coração de águia. Este coração a fará um dia voar às alturas.”

“Não”, insistiu o camponês. “Ela virou galinha e jamais voará como águia.”
Então decidiram fazer uma prova. O naturalista tomou a águia, ergueu-a bem alto e, desafiando-a, disse: “Já que você de fato é uma águia, já que você pertence ao céu e não à terra, então abra suas asas e voe!”.

A águia ficou sentada sobre o braço estendido do naturalista. Olhava distraidamente ao redor. Viu as galinhas lá embaixo, ciscando grãos. E pulou para junto delas.

O camponês comentou. “Eu lhe disse, ela virou uma simples galinha!”.
“Não”, tornou a insistir o naturalista. “Ela é uma águia. E uma águia sempre será uma águia. Vamos experimentar novamente amanhã.”
No dia seguinte, o naturalista subiu com a águia no teto da casa. Sussurrou-lhe: “Águia, já que você é uma águia, abra suas asas e voe!”.
Mas, quando a águia viu lá embaixo as galinhas ciscando o chão, pulou e foi parar junto delas.

O camponês sorriu e voltou à carga: “Eu havia lhe dito, ela virou galinha!”.
“Não”, respondeu firmemente o naturalista. “Ela é águia e possui sempre um coração de águia. Vamos experimentar ainda uma última vez. Amanhã a farei voar.”

No dia seguinte, o naturalista e o camponês levantaram bem cedo. Pegaram a água, levaram-na para o alto de uma montanha. O sol estava nascendo e dourava os picos das montanhas.

O naturalista ergueu a águia para o alto e ordenou-lhe: “Águia, já que você é uma águia, já que você pertence ao céu e não à terra, abra suas asas e voe!”.
A águia olhou ao redor. Tremia, como se experimentasse nova vida. Mas não voou. Então, o naturalista segurou-a firmemente, bem na direção do sol, de sorte que seus olhos pudessem se encher de claridade e ganhar as dimensões do vasto horizonte.

Foi quando ela abriu suas potentes asas. Ergueu-se, soberana, sobre si mesma. E começou a voar, a voar para o alto e a voar cada vez mais para o alto. Voou. E nunca mais retornou.

Povos da África (e do Brasil)! Nós fomos criados à imagem e semelhança de Deus. Mas houve pessoas que nos fizeram pensar como galinhas. E nós ainda pensamos que somos efetivamente galinhas. Mas nós somos águias.
Por isso, irmãos e irmãs, abram as asas e voem. Voem como as águias. Jamais se contentem com os grãos que lhes jogarem aos pés para ciscar.

Leonardo Boff é teólogo, filósofo e membro da Iniciativa Internacional da Carta da Terra

PUBLICAÇÕES RELACIONADAS

A Águia e a Galinha

A Águia e a Galinha – uma metáfora da condição humana Existe em todas as pessoas a dimensão galinha, que é a inserção no mundo concreto e suas limitações, e a dimensão águia, que são os sonhos e a vontade de crescer. Nesta obra, que agora faz parte do selo Vozes Nobilis, o autor busca […]

O Despertar da águia

O Despertar da Águia – o dia-bólico e o simbólico na construção da realidade O presente livro prolonga o anterior, A águia e a galinha, e mostra como a dimensão-águia e a dimensão-galinha, ou também o sim-bólico e o dia-bólico, entram na estruturação do universo, da história e da pessoa humana. Um livro que ajuda […]

Engaging the signs of the times: JUBIEE FOR THE EARTH: NEW RHYTHMS, NEW HOPE

OPENSPACE
SEPTEMBER 2020, Vol.13, no. 1/2

From September 1 to October 4, we celebrate the Season of Creation – a time to reflect on our relationship with the Earth. This year, the theme is “Jubilee for the Earth: New Rhythms, New Hope.”

In the Hebrew tradition, Jubilee is a time for righting our relationships with others – to free those held in captivity, to let the Earth rest and regenerate, and to ensure a just distribution of the Creator’s gifts so that all may have the means to live and thrive.

To help envision and discern what this may entail, this issue of OpenSpace draws on the reflections shared in three webinars held between May and June of this year tocelebrate the fifth anniversary of Pope Francis’s encyclical, Laudato Si’: On Care for our Common Home.

In different ways, the pieces reflect on the challenge of changing the way we relate to one another and the wider Earth community, calling us to a deep metanoia – a change of heart, an ecological conversion.

In the first piece, I dialogue with Leonardo Boff, my friend and co-author of
The Tao of Liberation: Exploring the Ecology of Transformation (Orbis, 2009) and Ecology and the Theology of Nature (Concilium, 2018).

Leonardo has written more than seventy books on liberation theology, ecology, and spirituality. His influence on Laudato Si’ is evident in the idea first expressed in his writings of listening to “the cry of the Earth and the cry of the poor” (LS 49).

Together, we dialogue on some of the key themes arising from Laudato Si’ including the ecological crisis, integral ecology, ecological conversion, and spirituality.

In Women Resisting Extractivism, Sherry Pictou, Bertha Zuniga Cáceres, and Elizabeth López Canelas reflect on how women – particularly Indigenous women – are often adversely and disproportionately affected by extractive industries such as mining, logging, and petroleum exploitation. At the same time, women often lead the resistance to destructive forms of “development” and promote an alternative vision of care and the sustenance of life.

In Just Transitions, Allie Rougeot and Mauricio López share their reflections on what a more just and sustainable society might look like and how we might move towards such a vision. John McCarthy, SJ then shares reflections on an ecological spirituality and the ways we speak about the more-than-human world.

At the end of this issue, you will find questions to guide dialogue using the forum process. If you would like to further explore these themes, see our guide On Care for our Common Home at http://tiny.cc/forumguides

All the articles are based on transcripts of the webinars available to view online at http://tiny.cc/JesuitForumTV. They have all been edited for clarity and brevity.

I wish to express my deep gratitude for all those who have contributed to this issue with their insights and reflections.

– Mark Hathaway, Executive Director


OPENSPACE is published by the Jesuit Forum for Social Faith and Justice.

To order extra copies, please send an email to contact@jesuitforum.ca
To subscribe to the electronic version, please visit our website: http://www.jesuitforum.ca


Novo livro de Leonardo Boff: a Mãe Terra contra-ataca a Humanidade

Covid-19 – A Mãe Terra contra-ataca a Humanidade
Advertências da pandemia

Capa do novo Livro de Leonardo Boff

Não basta ver o Covid-19 isolado e em si mesmo. Temos que ver seu contexto. Ele vem da natureza que foi agredida  pelo tipo de relação que nosso sistema produtivo mantem.

Avançou sobre as florestas, desmatou e destruiu o habitat dos vírus que existem aos milhares seja nos animais e até nas plantas.

Eles para sobreviverem, passam a outros animais, no caso, provavelmente a um morcego e este nos passou o coronavírus.

Não é suficiente a ciência, a técnica, os insumos, o isolamento social, evitar conglomerações e o uso da máscara. Tudo isso é imprescindível, mas o mais importante é desenvolvermos uma relação amigável com a natureza e os seus animais. Se continuarmos a agressão irresponsável, a natureza e a Terra-Gaia reagirão enviando-nos mais vírus até mais perigosos.

Temos que mudar de paradigma, ao invés da intrusão, o respeito e o cuidado, pois a natureza não pertence a nós. Nós pertencemos à natureza, somos parte dela,  que tudo nos dá para as nossas vidas.

Leonardo Boff

O Covid-19 nos obriga a pensar: o que é o essencial?

Como afirmou o renomado filósofo alemão Jürgen Habermas, numa entrevista acerca do Covid-19:”Nunca soubemos tanto de nossa ignorância como agora”. A ciência é indispensável  para sobrevivermos e dar conta da complexidade das sociedades modernas. Mas ela não pode ser arrogante e pretender, como certos cientifistas postulam, que ela poderia resolver todos os problemas. Mas na verdade, o que não sabemos é infinitamente maior do que sabemos.Todo saber é finito e perfectível. Isso está se comprovar agora por ocasião da busca desenfreada por uma vacina eficaz contra o Covid-19. Não sabemos quando estará disponível, nem quando desaparacerá a epidemia.

Tal fato tem como efeito o ocaso de um horizonte de vida e de esperança  e causa aquilo que tão bem em seu twitter escreveu a juíza e escritora (“A vida não é justa”) Andréa Pachá: “A pandemia fez muitos estragos. Alguns físicos, concretos e definitivos. Outros sutis, mas devastadores. Subtraiu a vontade de rir, de brincar, de fazer planos, mesmo aqueles só utópicos e idealizados, que jamais se realizariam, mas que alimentavam a alma”. Constamos que há profundo abatimento coletivo, melancolia, depressão e até raiva contra uma epidemia contra a qual muito pouco conhecemos e pouco podemos fazer. Todos sentimo-nos rodeados pelo fantasma da contaminação, da intubação e da morte.

O fato é que vivemos não sob uma emergência extraordinária como o tsunami no Japão afetando as usinas nucleares, uma das quais, continua emitindo radioatividade, afetando as costas da India, da Tailândia, da Indonésia até as costas da Califórnia ou as grandes queimadas da Amazônia,do Pantanal e das florestas da Califórnia. Com o Covid-19 estamos diante de uma emergência extrema, afetando todo o planeta, consequência de uma profunda erosão ecológica causada pela voracidade das grandes empresas que buscam exclusivamente o lucro material com a derrubada das florestas, o extrativismo, a expansão de monoculturas como da soja ou da criação de gado e a excessiva urbanização do mundo inteiro.

Essa intrusão do ser humano sobre a natureza, sem qualquer sentido de respeito ao seu valor intrínseco, tida como mero meio de produção e não como algo vivo do qual nós somos parte e não donos e senhores, negando-nos a respeitar seus limites de suportabilidade, tem produzido a destruição dos habitats dos milhares de vírus em animais e em plantas que então transbordam para outros animais e para o ser humano.

Temos que incorporar novos conceitos: a zoonose (doença que vem do mundo animal,aves, porcos, vacas, morcegos) e a transferência zoonótica: uma afecção animal transmissível ao ser humano. A partir de agora entrarão no nosso vocabulário não só científico.

Adverte-nos um dos maiores especialistas em vírus  David Quammen (Montana nos USA) em seu video “Spillover: the next human pandemic” ( 2015):”é inevitável que volte a haver uma grande pandemia. Pode matar dezenas de milhares, centenas de milhares, ou milhões de pessoas, consoante as circunstâncias e a forma como reagirmos, mas há de aparecer qualquer coisa dessas. Será com certeza um agente zoonótico. Terá origem em animais não humanos. Será certamente um vírus”. Observemos a gravidade desta advertência de um notável cientista.

Face à esse emergência extrema, acrescida com  parca mobilidade nacional e internacional, o isolamento social, o distanciamento entre as pessoas e o uso da máscara nos propiciam colocar as questões mais fundamentais de nossas vidas: afinal, o que conta em última instância? O que é definitivamente essencial? Quais as razões que nos levaram a tal situação de emergência extrema? Que devemos e podemos fazer depois que passar a pandemia, se passar? Estas questões são inadiáveis.

Então descobrimos que não há valor maior que a vida, a nossa vida e de toda comunidade de vida.Ela surgiu há 3,8 bilhões de anos e a humana há cerca de 8-10 milhões de anos.Ela passou por várias devastações mas sempre se manteve viva. E junto com a vida, os meios de vida sem os quais ela não se sustenta: á água, o solo, a atmosfera,a biosfera,os climas, o trabalho e a natureza que nos oferece tudo o que precisamos para viver e sobreviver.E a comunidade humana que nos acolhe e nos oferece as bases da ordem social e espiritual que nos mantém coesos como humanos. De nada vale a acumulação de bens materiais, a apropriação individual, a pura e simples competição. O que nos salva como seres vivos e sociais é a solidariedade, a cooperação, a generosidade e o cuidado de uns para com os outros e para com o ambiente.

Estes são os valores humano-espirituais, contrários àqueles da cultura do capital material sobre a qual o Covid-19 representou uma espécie de raio que a reduziu em cacos. Não podemos voltar a ela para não provocar a Mãe Terra e a natureza que, caso não mudarmos nossa relação de respeito e de cuidado, nos enviarão outros vírus, talvez ainda mais letais ou até o derradeiro (The Big One) que dizimaria a espécie humana.

Esse tempo de recolhimento forçado é tempo de reflexão e de conversão ecológica, tempo de decidir que tipo de Casa Comum queremos para o futuro. Temos que crescer em solidariedade e em amor a tudo que é criado,especialmente aos humanos, nossos irmãos e irmãs. Seremos o “o homo solidarius”, o princípio de uma nova era, da biocivilização, na qual a vida em sua diversidade terá centralidade e tudo o  mais a serviço dela. A vida vale por si mesma. Juntos na Casa Comum gozaremos da alegre celebração da vida.

Leonardo Boff, é ecoteólogo e filósofo e escreveu “O Covid-19: o contra-ataque da Terra contra a Humanidade” a sair em breve pela Vozes.

J.Habermas