O amor entre Clara e Francisco de Assis

Francisco (+1226) e Clara (+1253), ambos de Assis, são figuras das mais queridas da cristandade, das quais nos podemos realmente orgulhar. Os dois uniam três grandes paixões: pelo Cristo pobre e crucificado, pelos pobres, especialmente os hansenianos e um pelo outro.  O amor por Cristo e pelos pobres não diminuía em nada o amor profundo que os unia, mostrando que entre pessoas que se consagram a Deus e ao serviço dos outros pode existir  verdadeiro amor e relações de grande ternura. Há entre Francisco e Clara algo misterioso que conjuga Eros e Ágape, fascinação e transfiguração. Os relatos conservados da época falam dos encontros freqüentes entre eles. No entanto, “regulavam tais encontros de modo que aquela divina atração mútua pudesse passar despercebida aos olhos das pessoas, evitando boatos púbicos”.

Logicamente, numa pequeníssima cidade como  Assis,  todos sabiam tudo de todos. Assim também do amor entre Clara e Francisco. Uma legenda antiga refere-se a este diz-que-diz-que com terníssima candura:”Certa feita, Francisco havia ouvido alusões inconvenientes. Foi a Clara e disse-lhe: Comprendeste, irmã, o que o povo diz de nós? Clara não respondeu. Sentiu que seu coração começava a parar e que, se dissesse uma palavra mais, iria chorar. É tempo de separar-nos, disse Francisco. Então, tu vais à frente e, antes de vir a noite, terás chegado ao convento. Eu irei sozinho e te acompanharei e longe, conforme o Senhor me conduzir. Clara ajoelhou-se no meio do caminho. Pouco depois, recuperou-se, levantou-se e continuou a caminhar, sem olhar para trás. O caminho passava por um bosque. De repente, ela se sentiu sem forças, sem consolo e sem esperança, sem uma palavra de despedida antes de separar-se de Francisco. Aguardou um pouco.  Pai, disse, quando nos veremos de novo? Quando o verão voltar, quando as rosas florescerem, respondeu Francisco. E então, naquele momento, algo maravilhoso aconteceu. Parecia que por sobre os campos cobertos de neve, tivesse chegado o verão e irrompessem milhares e  milhares de flores. Depois de uma perplexidade inicial, Clara se apressou, colheu um ramalhete de flores e o entregou nas mãos de Francisco”. E a legenda termina dizendo:”Desde aquele momento em diante, Francisco e Clara nunca mais se separaram”.

Estamos diante da linguagem simbólica das lendas. Mas são elas que guardam o significado dos fatos primordiais do coração e do amor. “Francisco e Clara nunca mais se separaram”, quer dizer, souberam articular seu mútuo o amor com o amor a Cristo, aos pobres de tal forma que era um só e grande amor. Efetivamente jamais saíram um do coração do outro. Uma testemunha da canonização de Clara diz com grazie que Francisco para ela “parecia-lhe ouro de tal forma claro e lúcido que ela se via também toda clara e lúcida como se fosse num espelho”. Dá para expressar melhor a fusão de amor entre duas pessoas de excepcional  grandeza de alma?

Em suas buscas e dúvidas ambos se consultavam e buscavam na oração um caminho. Um relato biográfico da época conta: “Certa feita, cansado, Francisco chega a uma fonte de águas cristalinas. Põe-se a olhar, por  longos instantes, para estas águas claras. Depois, tornou a si e disse alegremente a seu amigo íntimo, Frei Leão: Frei Leão, ovelhinha de Deus, que pensas que vi nas águas claras da fonte? A lua, que se espelha lá dentro, respondeu Frei Leão. Não, irmão, não via lua, mas sim, o rosto claro de nossa irmã Clara, cheio de santa alegria, de sorte que todas as minhas tristezas desapareceram”.

Agora em 2011 se celebram os 800 anos da fundação por Clara da Segunda Ordem, a das Clarissas. O relato histórico não poderia ser mais carregado de densidade amorosa. Francisco combinara com Clara que na noite do domingo de Ramos, belamente adornada,  fugisse de casa e viesse encontrá-lo na capelinha que havia construído, a Porciúncula. Efetivamente ela fugiu. Chegou à igrejinha e lá estavam Francisco e seus companheiros com tochas acessas. Alegres a aplaudiram e a receberam com extremo carinho. Francisco cortou-lhe os belos cabelos louros. Era o símbolo de sua entrada no novo caminho religioso. Agora eram dois num só e mesmo caminho e até hoje “nunca mais se separaram”.


Elegy of enslavement and liberation: day of the assassination of the negro Joao Alberto Freitas in Porto Alegre, on the day of the negro conscientiousness

Elegy of enslavement and of liberation On this day, November 20th, 2020, when we celebrate the day of the negro conscience, a day of reflection against racism and of recognition of the dignity of the black population in Brazil (more than half the population), the negro Joao Alberto Freitas, forty years of age was cowardly […]

17 comentários sobre “O amor entre Clara e Francisco de Assis

  1. Vi seu post no Twitter, informação passada pra outro seguidor e vim atrás.
    Excelente! Vou repassar para meus filhos.

    Obrigado por nos presentear.

    Curtir

    • Assisti o filme ontem na tv ..pai eterno…tenho sua oração q enviei em minha modesta morada em um banner q mandei fazer..Oração a São Francisco de Assis…tenho uma filha de outro relacionamento onde a mãe fez questão de colocar o nome de Ana Clara…hj compreendo melhor sobre FRANCISCO & CLARA. Eu Odilon Bonetti já com meus 63 anos…Fiquei muito emocionado ao ver o filme é saber sobre esta linda história de amor e FÉ.

      Curtir

  2. Que sensibilidade heim… Por essas e outras que o nosso Francisco já está com seu nome atrelado em questões de biodiversidade / ambientais / cuidados com os sistemas humanos e naturais… E o sr também Professor.

    Curtir

  3. Só mesmo Leonardo para nos dar essa reflexão…e Francisco e Clara nunca mais se separaram…que mair prova de amor Eros e Ágape do que essa fusão de Francisco e Clara…fraternalmente…

    Curtir

  4. O ego sente amor, a Consciência AMA. O amor é condicional, é paixão, é fugaz, é cultural, é hôrmonio, e muito mais. O AMAR é Sutil, é Sublime, é Puro, é Simples, é Felicidade e é eterno. É assim que somos AMADOS por essas humildes figuras.

    Curtir

  5. Muito lindo. Eu sinto que amo uma pessoa do mesmo modo, guardadas as devidas proporções e o devido respeito às figuras iluminadas de Francisco e Clara.

    Curtir

  6. ACHEI MARAVILHOSO, UMA LINDA HITORIA DE UM LINDO AMOR CRISTÃO, UM CASAL QUE DEDICARAM A VIDA UM PELO OUTRO E UNIDOS TIVERAM A MAIOR PROVA DE AMOR CRISTÃO, AO SE DEDICAREM A DEUS…MUITO LINDO MESMO, FICA AI UM EXEMPLO DE AMÕR CRISTÃO E PLATONICO………QUE LINDO!!!!

    Curtir

  7. Sempre fico impressionado com a profundidade desse artigo, da bela leitura do amor entre Francisco e Clara. Leonardo Boff transparece a mística desses dois em tão belas palavras. A conjugação desses amores os levou á renovar a Igreja, através da opção preferencial pelos pobres e do cuidado com a natureza! Como diria em outro artigo: “Não se pode pensar Francisco sem Clara”…

    Curtir

  8. Maravilhosa história de amor! Leonardo Boff, o Sr retrata com tanta singeleza e ao mesmo tempo com tanto fulgor o amor de Francisco é Clara, que me sinto transtransportada para um mundo de luz. Obrigada.

    Curtir

    • Ricardo, a linguagem simbólica e os mitos, como revelam os psicanalistas e linguistas, muitas vezes contém mais verdade que as simples narrativas históricas. Estas tem que ter aura e saber le-las no seu código certo. A humanidade não faz ciência, conta históricas de vida, de lutas,superações, derrotas e vitórias. Essas narrativas estão cheias de cor e sabor. Lboff

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s