Despertar a dimensão xamânica

A categoria sustentabilidade, tomada em seu sentido amplo e não apenas reduzida ao desenvolvimento, significa toda a ação que visa a manter os seres na existência porque tem direito de coexistir conosco e só a partir desta convivência utilizamos com sobriedade e respeito uma porção deles para atender nossas necessidades e preservando-os também para as futuras gerações. Dentro deste conceito cabe também o universo. Sabemos hoje pela nova cosmologia que somos feitos de pó das estrelas e somos sustentados e atravessados pela inominável Energia de Fundo que tudo alimenta e que se desdobra nas quatro forças – a gravitacional, a eletromagnética, a nuclear fraca e forte – que, agindo sempre juntas, nos mantém assim como somos.

Como seres conscientes e inteligentes temos o nosso lugar e nossa função dentro do processo cosmogênico. Se não somos o centro de tudo, seguramente, somos uma daquelas pontas avançadas pelas quais o universo se volta sobre si mesmo, vale dizer, se torna consciente. O princípio andrópico fraco nos concede dizer que para sermos o que somos, todos as energias e processos da evolução se organizaram de forma tão articulada e sutil que permitiram o nosso surgimento, caso contrário não estaria aqui escrevendo agora.

Através de nós, o universo e a Terra se veem e se contemplam a si mesmos. A vista surgiu há 600 milhões de anos. Até lá a Terra era cega. O céu profundo e estrelado, as cataratas do Iguaçu, onde escrevo agora, o verdor das florestas, aqui ao lado, não podiam ser vistos. Pela nossa vista a Terra e o universo podem ver toda essa indescritível beleza.

Os povos originários, dos andinos aos samis do Ártico, se sentiam unidos ao universo, como irmãos e irmãs das estrelas, formando uma grande família cósmica. Nós perdemos esse sentimento de mútua pertença. Sentiam que forças cósmicas equilibravam o curso de todos os seres e atuavam em sua interioridade. Viver consoante estas energias universais era levar uma vida sustentável, serena e cheia de sentido.

Sabemos pela física quântica que a consciência e o mundo material estão conectados e a maneira que um cientista escolhe para fazer a sua observação, afeta o objeto observado. Observador e objeto observado se encontram indissoluvelmente ligados. Dai que a inclusão da consciência, nas teorias científicas e na própria realidade do cosmos, é um dado já assimilado por grande parte da comunidade científica. Formamos, efetivamente, um todo complexo e diversificado.

São conhecidas as figuras dos xamãs, tão presentes no mundo antigo e que hoje estão voltando com renovado vigor como o tem mostrado o físico quântico J. Drouot em se livro O Xamã, o Físico e o Místico (Record 2002) que tive a honra de prefaciar. O xamã vive um estado de consciência singular que o faz entrar em contato íntimo com as energias cósmicas. Ele entende o chamados das montanhas, dos lagos, das florestas, dos animais e, das estrelas e dos outros. Sabe conduzir tais energias para curar e harmonizar o ser humano com o todo.

Em cada um de nós existe a dimensão xamânica, escondida dentro de nossa interioridade Essa energia xamânica nos faz silenciar diante da grandeza do mar, vibrar diante do olhar da pessoa amada e estremecer face a um recém nascido. Precisamos liberar esta dimensão em nós para entrarmos em sintonia com tudo o que nos cerca e sentirmo-nos em paz.

Talvez nossa vontade de viajar com as naves espaciais na direção do espaço cósmico, não seja o desejo arquetípico de buscar nossas origens estelares e o ímpeto de regressar ao lugar de nosso nascimento? Vários astronautas expressaram semelhantes idéias.

Pertence à noção compreensiva de sustentabilidade, esta nossa busca incontida de equilíbrio com o todo e de sentirmo-nos parte do universo. A sustentabilidade comporta valorizar este capital humano e espiritual cujo efeito é produzir em nós respeito, sentido de sacralidade diante de todas as realidades, valores que alimentam a ecologia profunda e que nos ajudam a respeitar e a viver em sintonia com a Mãe Terra. Hoje faz-se urgente essa atitude, para moderar a força destrutiva que nas últimas décadas tomou conta da humanidade.

16 comentários sobre “Despertar a dimensão xamânica

  1. Excelente reflexão, como sempre o sr. com sua imensa sabedoria guiando uma boa conceitualização da questão mais urgente de nossas atuais gerações… É sempre uma honra ler seus escritos!

    Curtir

  2. Leonardo Boff nos fala do Princípio Andrópico ou Antrópico fraco, mas existe também o P. A. forte, que pressupõe uma intenção do universo e não somente o acaso agindo em produzir a vida e a consciência e, parece-nos que o segundo é mais plausível do que o primeiro, pois não depende de “multiversos”, mas somente do nosso universo observável
    Um outro aspecto muito interessante de seu texto é o despertar da consciência da unicidade com o planeta e com o cosmos, condição si ne qua non para que possamos sair aos poucos das armadilhas que nos colocamos a partir da era que está sendo chamada de Antropoceno, tal a interferência do homem nos ciclos naturais de Gaia.
    Este chamado xamânico é, portanto, urgente e deve nos preparar para a grande conferência que se avizinha, a Rio + 20, que será realizada ano que vem no Rio de Janeiro. Precisaremos ser muito mais astutos, cautelosos e cuidadosos do que fomos há somente vinte anos. Urge que assim sejamos agora, pois não teremos muito tempo ainda para tentar reverter os estragos que causamos no planeta e suas inevitáveis consequências.

    Curtir

  3. Grata sempre, querido Leonardo Boff, pela excelente reflexão sobre o despertar de consciências adormecidas e subjetividades moldadas pela doentia sociedade ao qual estamos inseridos. Trás à tona, a necessidade de um “religare” com a natureza e todos os seres que a habitam, nos incluindo neste rol. Não é mais possível uma visão romântica ecológica de afastamento do ser humano da natureza e também não é mais possível pensarmos a natureza como algo a serviço do ser humano, dentro de uma visão utilitarista dos recursos naturais. O nosso verdadeiro despertar se dará quando percebermos a intrínseca relação de coexistência que há – mas a muito tempo esquecida, e que precisa ser despertada – por nós, seres humanos com os seres não humanos, moradores do mesmo habitat, o planeta Terra.

    Curtir

  4. Prezado Leonardo Boff, este livro de Patrick Drouot encontra-se esgotado em várias livrarias. Gostei muito do texto e sou entusiasmado pelo assunto, de forma que, se possível, gostaria de faze-lhe algumas perguntas.

    1) Essa obra do autor citado está na mesma linha de pesquisa de Carlos Castanheda?
    2) Esse conhecimento xamânico influenciou Jung? Ou converge para o conhecimento produzido pelo renomado psiquiatra? Pois certa vez li que você é grande conhecedor das obras de Jung. Bem que você poderia nos contar algo sobre sua relação o universo junguiano.

    Abraço, Carlos.

    Curtir

    • Carlos Eduardo,
      Obrigado por sua mensagem.
      1.A obra de Drouhot não tem muito a ver com C. Castañeda. Drouhot era professor de fisica quäntica nos USA e se deparou com os indígenas xamãs e acabou percorrendo 20 mil km pelo mundo visitando xamãs ate ele mesmo virar um.
      2. Jung sempre se mostrou interessado pelo xamanismo. Achava que era a primeira e mais ancentral visão organica que os seres humanos elaboraram na historia conhecida por nos.Trouxe e coordenei na Vozes de Petropolis a publicação da obra completa de C.G. Jung e fiquei amigo dos filhos.É um do sábios do seculo XX e um grande intelocutor, pois conhece os meandros da alma humana inclusive sua dimensão espiritual.
      um abraço
      lboff

      Curtir

  5. A filosofia de Espinosa (conceito de substância), a psicologia de Jung (o Ics coletivo) e os estudos atuais de neurociência sobre empatia, mostrando a identificação neuronal, apontam para a direção indicada pelo grande Leonardo Boff, de um cosmos que nos une.

    Curtir

  6. O interessante é que a ideia do texto é compartilhada por Fritjof Capra. Todos os eventos universais estão interconectados em uma ampla rede cósmica. No livro “A Teia da Vida” Capra apresenta o conceito da “Ecologia Profunda”. A ampliação da visão de mundo que é gerado por um quadro de referência de valores – o paradigma – deve libertar-se do antropocentrismo e da concepção fragmentada da realidade, para a integração sistêmica da vida e do universo, ou seja, elevando a percepção de que tudo está ligado e transcende os limites disciplinares, ambientais, culturais, sociais, geográficos e políticos. A humanidade não constitui o epicentro cósmico, mas integra um dos inúmeros filamentos que formam a teia da vida. Na Física as partículas não devem ser definidas em si, mas apresentadas como todas as relações integradas que envolvem e partícula e o universo.

    Um grande abraço, Leonardo Boff

    Curtir

  7. Extraordinário.
    maior orgulho estar aqui junto com os dois Poetas, Leonardo Boff e meu irmão Poeta Zezito de Oliveira.
    Elevando nossos corações e cabeças pra gente continuar a caminhada da vida com mais Fé e convicção.
    Muito legal e muito obrigado por me comunicar.
    Abração Amigo para todos.

    Curtir

  8. Caro Leonardo,
    Seu texto lindíssimo expressa de forma clara o conceito de um projeto que estou desenvolvendo sobre Sustentabilidade de Vida, ainda está no início, mas se tiver interesse de conhecer: http://www.sustentabilidadedevida.com. Sua forma de colocar as idéias, tão sensível e objetiva é um dom abençoado. Obrigada por compartilhar a beleza de sua alma. Já publiquei seu texto no Facebook.
    Um abraço,
    Cláudia

    Curtir

    • Claudia,
      Acabei de entregar na Editora Vozes um livro de mais de 200 pp. sobre Sustentabilidade: o que é e o que não é. Vai sair no final de janeiro. Talvez o texto ajude a sua pesquisa. É o grande tema da Rio=20 e por todo lado há grupos formados para discutir o tema, geralmente tomado so como adjetivo e não como substantivo, quer dizer, como um novo paradigma de relação para com a natureza e a Terra.
      Vou ler o que vc escreveu.
      Bom proveito
      lboff

      Curtir

  9. Unha amiga mándame enerxía a distancia. Eu notoo claramente.
    Un día tiven unha forte indisposición, case perdín a conciencia. Aos 15 min. cando estaba algo mellor acendín o ordenador. Esta amiga e compañeira de traballo acababa de mandame un correio, “estás ben?” perguntaba.
    Outro amigo detecta corrientes de auga subterraneas, e vai contando, preguntado, para saber a profundidade. As varillas contestan e respostan pero, quen as move? quen escoita? Fai o mesmo coas árbores, detecta o seu campo enerxético. Cando se topa con el pergúntalle, por onde teño que entrar? e as varillas indican o camiño.
    Somos parte dun todo pero vivimos de costas a esta realidade. Vivimos na pobreza do empirismo e do materialismo estéril e insatisfactorio. Na insatisfacción permanente.
    Agardo que o retorno ao todo, á natureza, as percepcións subtis, se teña xa iniciado.
    Obrigado Leonardo.

    Curtir

  10. […] Pertence à noção compreensiva de sustentabilidade, esta nossa busca incontida de equilíbrio com o todo e de sentirmo-nos parte do universo. A sustentabilidade comporta valorizar este capital humano e espiritual cujo efeito é produzir em nós respeito, sentido de sacralidade diante de todas as realidades, valores que alimentam a ecologia profunda e que nos ajudam a respeitar e a viver em sintonia com a Mãe Terra. Hoje faz-se urgente essa atitude, para moderar a força destrutiva que nas últimas décadas tomou conta da humanidade. leonardoboff.wordpress.com/2011/11/27/despertar-a-dimensa… […]

    Curtir

  11. eu gostaria de viver numa comunidade xamanica, sair daqui de SP e viver só pela ntureza e voltar para experiencias ancestrais, mas não conheço nenhum lugar, não estou vivendo bem aqui e estou me esgotando aos poucos, sinto que tenho pouco tempo se continuar por aqui, gostaria de ajuda

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s