As crises da vida e a autorealização

Quase só se fala de crise e crise das crises, aquela da Terra e da vida, ameaçadas de desaparecer como acenou o Papa Francisco em sua encíclicas sobre “o cuidado da Casa Comum”. Mas tudo o que vive é marcado por crises: crise do nascimento, da juventude, da escolha do parceiro ou parceira para a vida, crise da escolha da profissão, crise do “demônio do meio-dia”como a chamava Freud que é a crise dos quarente anos quando nos apercebemos que já estamos chegando ao topo da montanha e começa a sua descida. Por fim a grande crise da morte quando passamos do tempo para a eternidade.

O desafio posto a cada um não é como evitar as crises. Elas são inerentes à nossa condição humana. A questão é como as enfrentamos: que lições tiramos delas e como podemos crescer com elas. Por aí passa o caminho de nossa auto-realização e de nossa maturidade como seres humano ou de nosso fracasso.

Toda situação é boa, cada lugar é excelente para nos medirmos conosco mesmo e mergulharmos em nossa dimensão profunda e deixar emergir o arquétipo de base que carregamos (aquela tendência de fundo que sempre nos martela) e que através de nós quer se mostrar e fazer sua história que é também a nossa verdadeira história. Aqui ninguém pode substituir o outro. Cada um está só. É a tarefa fundamental da existência. Mas sendo fiel neste caminhar, a pessoa já não está mais só. Construíu um Centro pessoal a partir do qual pode se encontrar com todos os demais caminhantes. De solitário faz-se solidário.

A geografia do mundo espiritual é diferente daquela do mundo físico. Nesta os países se tocam pelos limites. Na outra, pelo Centro. É a indiferença, a mediocridade, a ausên­cia de paixão na busca de nosso EU profundo que nos distancia de nosso Centro e dos outros e assim perdemos as afinidades, embora estejamos ao lado deles, no meio deles e pretendendo estar a serviço deles.

Qual é o melhor serviço que posso prestar às pessoas? É ser eu mesmo como ser-de-relações e por isso sempre ligado aos outros, ser que opta pelo bem para si e para os outros, que se orienta pela verdade, ama e tem compaixão e misericórdia.

A realização pessoal não consiste na quantificação de capacidades pessoais que podem ser realizadas, mas na qualidade, no modo como fazemos bem aquilo que a vida situada nos cobra. A quanti­ficação, a busca de títulos, de cursos sem fim, pode significar em muitas pesoas a fuga do encontro com a tarefa de sua vida: de se medir consigo mesmo, com seus desejos, com suas limitações, com seus problemas, com suas positividades e negatividades e integrá-los criativamente. Foge no acúmulo do saber inócuo que mais ensoberbece e afasta dos outros do que nos amadurece para poder compreender melhor a nós mesmos e o mundo. A linguagem trái estas pessoas que dizem: sou eu que sei, sou eu que faço, sou eu que decido. É sempre o o eu e nunca o nós ou a causa, comungada também por outros.

A realização pessoal não é obra tanto da razão que dis-corre sobre tudo, mas do espírito que é nossa capacidade de criar visões de conjunto e de ordenar as coisas em seu justo lugar e valor. Espírito é descobrir o sentido de cada situação. Por isso é próprio do espírito a sabedoria da vida, a vivência do mistério de Deus, decifrado em cada momento. É a capacidade de ser todo em tudo o que faz. Espiritualidade não é uma ciência ou uma técnica, mas um modo de ser inteiro em cada situação.

A primeira tarefa da realização pessoal é aceitar a nossa situação com seus limites e possibilidades. Em cada situação está tudo, não quantitativamente dis-tendido, mas qualitativamente recolhido como num Centro. Entrar nesse Centro de nós mesmos é encontrar os outros, todas as coisas e Deus. Por isso dizia a velha sabedoria da Índia: “Se alguém pensa corre­tamente, recolhido em seu quarto, seu pensamento é ouvido a milhares de quilômetros de distância”. Se quiseres modificar os outros, comece por modificar-te a ti mesmo.

Outra tarefa imprescindível para a realização pessoal é saber con-viver com o último limite que é a morte. Quem dá sentido à morte, dá sentido também à vida. Quem não vê sentido na morte também não descobre sentido na vida. Morte porém é mais que o último instante ou o fim da vida. A vida mesma é mortal. Em outras palavras, vamos mor­rendo lentamente, em prestações, porque quando nascemos começamos já a morrer, a nos desgastar e nos despedir da vida. Primeiro nos despedimos do ventre materno e morremos para ele. Depois nos despedimos da infância, da meninice, da juven­tude, da escola, da casa paterna, da idade adulta, de algumas de nossas tarefas, de cada momento que passa e por fim nos despedimos da própria vida.

Esta despedida é um deixar para trás não apenas coisas e situações, mas sempre um pouco de nós mesmos. Temos que nos desapegar, nos empobrecer e esvaziar. Qual o sentido disso tudo? Pura fatalidade irreformável? Ou não possui um sentido secreto? Despojamo-nos de tudo, até de nós mesmos no último momento da vida (morte), porque não fomos feitos para esse mundo nem para nós mesmos, mas para o Grande Outro que deve encher nossa vida: Deus! Deus vai, na vida, nos tirando tudo para nos reservar cada vez mais intensamente para si; pode até tirar-nos a certeza se tudo valeu a pena. Mesmo assim persistimos, crendo nas palavras sagradas:”Se teu coração te acusa, saiba que Deus é maior que teu coração”(cf. 1 Jo 3,20 ). Quem conseguir incorporar as negatividades, mesmo injustas, em seu próprio Centro, este alcançou o mais alto grau de hominização e de liberdade interior.

As negatividades e as crises pelas quais passamos, nos dão esta lição: de nos despojar e  de nos preparar para a total plenitude em Deus. Então, como diz o místico Sâo João da Cruz: seremos Deus, por participação.

Leonardo Boff é colunista do Jornal do Brasil online, ecoteólogo e escritor

20 comentários sobre “As crises da vida e a autorealização

  1. considerando, o salmo 8 versículo 5 das escrituras sagradas, Deus nos fez um pouco menor do que os anjos ou em outras traduções, do que Deus e de glória e de honra o coroaste. Sabemos que este salmo é messiânico, contudo Deus fala a respeito da humanidade de Jesus Cristo e portanto contextualizando, serve para nós também. No entanto, somos filhos de Deus e Jesus Cristo nosso irmão mais velho, enquanto 100% homem, e de maneira alguma seremos considerados como Deus. Essa interpretação é bem perigosa e sobretudo herética.

    Curtir

  2. É difícil aceitar as crises e por fim a morte, mas pensando que a vida em sua essência não nos pertence e também nada no mundo que o ser humano não tenha criado, tudo fica mais suave e até mesmo ganha uma certa lógica.

    Curtir

  3. Belo texto. Avaliação profunda da realidade do ser: porque viemos e para onde vamos. É necessário refletir sobre a finalidade de nossa passagem pelo planeta.

    Curtir

  4. Eu tenho uma admiração incrível pelo Boff, este homem é sem sombra de dúvida um iluminado de Deus, um profeta da Esperança. O meu maior desejo é um dia me encontrar com ele e agradecer pessoalmente, por todo o bem que ele faz a humanidade.
    Abraço Margo

    Curtir

  5. Li e gostei! como sempre os comentários de Boff são de uma lucidez estonteante. Com eles nós tomamos mais fôlego para atravessar o caminho…e acreditamos mais ainda que há uma chegada, numa nova morada.

    Curtir

  6. Expresso gratidão por compartilhares tanta sabedoria e compaixão através de tuas palavras. Só em saber que existem pessoas assim já sou feliz! Que continues assim iluminado. Namastê!

    Curtir

  7. Caro Sr. Leonardo: O senhor me lembra muito Teilhard de Chardin.
    Que Deus o abençoe! E Que Deus olhe pelo nosso país e que tenha piedade de nós!

    Curtir

  8. Prezado Leonardo, seus textos despertam em nós algo que se encontra em cada partícula do nosso ser, da nossa essência, como uma semente que está apenas aguardando o momento de seu desabrochar. Revigorante, eterno, inspirador, com um frescor “DIVINO”.
    Gratidão !

    Curtir

  9. Sim Olavo Andrade, eu fiz esta leitura também! Apenas ampliando o assunto e sobretudo enfatizando a verdade nua e crua,compreendes? Ele é bom sim, não discordo de ti não. O que ocorre é que vejo certas coisas por outros prismas e é salutar que seja assim, o que pensa?

    Curtir

  10. Davanti a Dio prego per te fratello Leonardo. Sto imparando a vincere le paure, e quando questo accade Dio si manifesta. Milan Kundera:” l’insostenibile leggerezza dell’essere”, è difficile però sostenere Dio dentro noi, è una gioia grandiosa che per forza deve durare poco tempo, altrimenti ci stritola, però quanto è bello quando questo accade. Vero ciò che diceva san Giovanni dell Croce: Siamo Dei, per partecipazione.

    Curtir

  11. Quanto as crises, de fato são fundamentais para que obtenhamos crescimento holístico. vale ressaltar apenas, que essa dinâmica da vida em forma de crise, iniciou-se após a queda de Eva e Adão, que pode ser considerada a primeira crise, a crise da obediência, que todos sabemos que eles se entregaram a ela, desobedecendo a ordem de Deu.Podemos comprovar isso, a luz da palavra dita pelo Eterno em Gênesis 3 versículos 16,17,18 e 19, esses versículos expressão todas as crises inerentes ao ser humano.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s