A ressurreição de um torturado e crucificado: Jesus de Nazaré

A páscoa da ressurreição deste ano se celebra no contexto de um país onde quase toda a população está sendo sufocada por um governo de extrema-direita que tem um projeto político-social radicalmente ultra-neoliberal. Ele se mostra sem piedade e sem coração pois desmonta os avanços e os direitos de milhões de trabalhadores e de pessoas de outras categoriais sociais. Coloca à venda bens naturais pertencentes à soberania do país. Aceita a recolonização do Brasil no intuito indisfarçável de repassar a nossa riqueza para as mãos de pequenos e poderosos grupos nacionais e internacionais. Não há qualquer sentido de solidariedade e de empatia para com os mais pobres e com aqueles que vivem ameaçados de violência e até de morte pelo fato de serem negros e negras, de habitarem em favelas, indígenas, quilombolas ou de outra condição sexual.

Andando por este país e um pouco pelo mundo, ouço, de muitas partes, gemidos de sofrimento e de indignação. Então, parece-me ouvir as palavras sagradas:”Eu vi a opressão de meu povo, ouvi os gritos de aflição diante dos opressores e tomei conhecimento de seus sofrimentos. Desci pra libertá-los e faze-los sair desse país para uma terra boa e espaçosa” (Ex 3,7-8).

Deus deixa sua transcendência (“Deus acima de todos?”), desce e se coloca no meio dos oprimidos para ajudá-los a fazer a passagem (pessach=páscoa) da opressão para a libertação.

Vale enfatizar o fato de que há algo de assustador e de perverso em curso: um chefe de estado exalta torturadores, elogia ditadores sanguinários e considera um mero acidente o fuzilmanto com 80 tiros, por militares, de um negro, pai de família. E ainda propõe o perdão pelos que promoveram o holocausto de seis milhões de judeus. Como falar de ressurreição num contexto de alguém que prega uma perene “sexta-feira santa” de violência? Ele tem continuamente o nome de Deus e de Jesus em seus lábios e esquece que somos herdeiros de um prisioneiro político, caluniado, perseguido, torturado e crucificado: Jesus de Nazaré. O que faz e diz é um escárnio, agravado pelo apoio de pastores de igrejas neo-pentecostais, cuja mensagem pouco ou nada tem a ver com o evangelho de Jesus.

Apesar desta infâmia, queremos celebrar a páscoa da ressureição que é a festa da vida e da floração como a do semi-árido nordestino. Após algumas chuvas, tudo ressuscita e reverdesse.

Os judeus, escravizados no Egito fizeram a experiência de uma travessia, de um êxodo da servidão para a liberdade em direção de “uma terra boa e vasta onde corre leite e mel”(símbolos de justiça e de paz: Ex 3,8). A “Pessach” judaica (Páscoa) celebra a libertação de todo um povo e não apenas de indivíduos.

A Pásscoa cristã se agrega à Pessach judaica, prolongando-a. Celebra a libertação da inteira humanidade pela entrega de Jesus, aceitando a injusta condenação à morte de cruz, imposta, não pelo Pai de bondade, mas como consequência de sua prática libertadora face aos desvalidos de seu tempo e por apresentar uma outra visão de Deus-Pai, bom e misericordioso e não mais um Deus castigador com normas e leis severas, fato inaceitável pela ortodoxia da época. Ele morreu em solidariedade para com todos os humanos, abrindo-lhes o acesso ao Deus de amor e de misericórdia.

A Páscoa cristã celebra a ressurreição de um torturado e crucificado. Ele fez a passagem e o êxodo da morte para a vida. Não voltou para a vida que tinha antes, limitada e mortal como a nossa. Mas nele irrompeu um outro tipo de vida não mais submetida à morte e que representa a realização de todas as potencialides presentes nela (e em nós). Aquele ser que vinha nascendo lentamente dentro do processo da cosmogênese e da antropogênese, alcançou por sua ressurreição tal plenitude que, enfim, acabou de nascer. Como disse Pierre Teilhard de Chardin, ele, plenamente realizado, explodiu e implodiu para dentro de Deus. São Paulo entre perplexo e encantado o chama de “novissimus Adam” (1 Cor 15,45), o novo Adão, a nova humanidade. Se o Messis ressuscitou, toda a sua comunidade, que somos todos nós, até cosmos do qual somos parte, participamos desse evento bem-aventurado. Ele é o “primeiro entre mutos irmãos e irmãs ( Rom 8, 29). Nós seguiremos a ele.

Apesar da “sexta-feira santa” do ódio e da exaltação da violência, a ressurreição nos infunde a esperança de que faremos a passagem (páscoa) desta situação sinistra para o resgate de nosso país, onde não haverá mais ninguém que ousará favorecer a cultura da violência nem exaltará a tortura, nem se mostrará insensível ao holocausto de milhões de pessoas. Aleluia. Feliz Páscoa a todos.

Leonardo Boff, téologo e filósofo, escreveu Paixão de Cristo-paixão do mundo”, Vozes 2005.

8 comentários sobre “A ressurreição de um torturado e crucificado: Jesus de Nazaré

  1. Que “Deus acima de todos” é esse que faz distinção entre as pessoas. Que rechaça as minorias sociologicas e as relega à condicao de inimigos da patria; Enquanto que por outro lado, exalta e acolhe os abastados de bens materiais e imateriais. Essas práticas podem ser tudo, menos o reflexo de Jesus crucificado e abandonado no auto de sua redenção. Esse governo não reflete a Páscoa, pois não trás nada de novo, a não ser sua reinventada forma de perseguir e matar pobres e negros, com a conivência de uma parte da sociedade tidos como arautos da moral e dos bons costumes…!!

    Curtir

  2. Agradeço e retribuo os Votos de Santa e Feliz Páscoa! “O Pai é nosso, o pão é nosso”(Papa Francisco).Oro pedindo perdão a Deus para a humanidade, conversão e santidade.” Que seja feita a Vontade de Deus assim na Terra como no Céu !” Fomos criados , humanos e as outras criaturas pelo Amor, por Amor e para o Amor. Excluindo o Amor resta a falência de todos e de tudo.Jesus deu-nos o exemplo fazendo sempre a Vontade do Pai, por ex. na hora da agonia Ele pede :”Pai, se possível afasta de mim este cálice de dor, porém não se faça o que eu quero, mas, sim,o que Tu queres”(Mateus 28,39).Jesus é Salvador da humanidade criada e amada por Deus : negros, amarelos, brancos, quilombolas, índios… Deus é nosso Pai, somos TODOS irmãos, com interdependência e responsabilidade recíproca, buscando colocar a serviço os dons de Deus recebidos. Todos chamados à SANTIDADE: “Pois Eu Sou o Senhor vosso Deus.Vós vos santificareis e sereis santos, porque Eu Sou Santo”(Levítico 11,44 ; 10,1 ; 20,26).

    Curtir

    • Marízia, obrigado por suas reflexões, inspiradas no evangelho e contextualizadas para o nosso tempo. Vc ajuda a muitas pessoas a receberem um pouco de luz no meio da obscuridade em que vivemos. Que tenha uma Páscoa de esperança e de discreta alegria de viver. Lboff

      Curtir

  3. Republicou isso em Paulosisinno's Bloge comentado:
    Como sempre, Leonardo Boff nos presenteia com um texto lúcido, consciente e pleno de sentimento para nossa profunda reflexão. Leiam o trecho inicial e depois cliquem no linque para ler o texto inteiro:
    “A ressurreição de um torturado e crucificado: Jesus de Nazaré
    15/04/2019
    A páscoa da ressurreição deste ano se celebra no contexto de um país onde quase toda a população está sendo sufocada por um governo de extrema-direita que tem um projeto político-social radicalmente ultra-neoliberal. Ele se mostra sem piedade e sem coração pois desmonta os avanços e os direitos de milhões de trabalhadores e de pessoas de outras categoriais sociais. Coloca à venda bens naturais pertencentes à soberania do país. Aceita a recolonização do Brasil no intuito indisfarçável de repassar a nossa riqueza para as mãos de pequenos e poderosos grupos nacionais e internacionais. Não há qualquer sentido de solidariedade e de empatia para com os mais pobres e com aqueles que vivem ameaçados de violência e até de morte pelo fato de serem negros e negras, de habitarem em favelas, indígenas, quilombolas ou de outra condição sexual.”

    Curtir

  4. Caríssimo Irmão Leonardo Boff, fico feliz com suas considerações. Como discípula de Jesus me empenho em viver seus ensinamentos. Em contato com o Jornal Brasil 247 procuro passar estes ensinamentos: “Conhecereis a verdade e a verdade vos libertará”. Percebo a escravidão ao dinheiro, ao sexo, egoismo…”A humanidade perdeu a paz porque excluiu Deus”(Pe. Luis Mello).

    Curtir

  5. Essas são palavras de um verdadeiro cristão, muito importantes nesse período tenebroso da nossa História, com milhões de pessoas se que se dizem cristãs mas apoiam a violência, a tortura, discriminação, gozam com o sofrimento dos que têm ideias diferentes deles e não têm a humildade necessária para fazer um verdadeiro e honesto exame de consciência.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s