Etapas da agressividade ecológica do ser humano contra a Terra       

Se reduzirmos os 13,7 bilhões de anos da existência do universo a apenas um ano,o ser humano atual, sapiens sapiens,surgiu no processo da evolução no dia 31 de dezembro, às 23 horas, 58 minutos e 10 segundos, consoante cálculos de vários cosmólogos. Portanto, aparecemos em menos de um minuto do final ano cósmico. Qual o sentido de termos chegado tão tarde no processo cosmogênico? Para coroar tal processo ou para destrui-lo? Essa é uma questão aberta.O que podemos constatar é a nossa crescente destrutividade  do meio no qual vivemos, da natureza e da nossa Casa Comum.Vejamos algumas etapas de nossa agressividade. Ela nos deixa interrogações inquietantes.

1.A interação com a natureza

No início, nossos ancestrais que se perdem na penumbra dos tempos imemoriais, tinham uma relação harmoniosa com a natureza. Entretinham uma interação não destrutiva: tomavam o que a natureza fartamente lhes oferecia. Esse tempo durou alguns milênios, começando na África, onde surgiu o ser humano há 8-9 milhões de anos. Por isso, somos todos, de alguma forma,  africanos. Lá se formaram nossas estruturas corporais, psíquicas, intelectuais e espirituais que se fazem presentes no inconsciente de  todos os humanos até os dias atuais.

2. A intervenção na natureza

Há mais de dois milhões de anos, irrompeu, no processo da antropogênese (a gênese do ser humano na evolução) o homem hábil  (homo habilis). Aqui ocorreu uma primeira virada. Iniciou-se aquilo que culminou de forma extrema nos dias atuais.

O homem hábil inventou instrumentos com os quais operava uma intervenção na natureza: um pau pontiagudo, uma pedra afiada e outros recursos semelhantes. Não bastava o que a natureza lhe oferecia espontaneamente. Com a intervenção, ele podia ferir e  matar um animal com  a ponta aguçada de um pau ou podia cortar plantas com instrumentos afiado de pedra.

Essa intervenção durou milênios. Mas com a introdução da agricultura e da irrigação se desenvolveu muito mais intensamente Isso ocorreu por volta de 10-12 mil atrás (diferente nas várias regiões), na era chamada de  neolítico. Desviavam-se águas dos rios, como o Tigre e o Eufrates no Oriente Médio, o Nilo no Egito, o Indo e o Ganges na Índia e o Amarelo na China. Melhoravam colheitas, criavam animais e aves para serem abatidos, especialmente galinhas, porcos, bois e ovelhas.Cresceu rapidamente a população humana. É o tempo em que os humanos deixaram de ser nômades e se fizeram sedentários. Criaram vilas e cidades, geralmente, junto aos rios citados acima ou ao redor do imenso lago interno, o  Amazonas que há milhares de anos, desaguava no Pacífico.

3.A agressão à natureza

Da intervenção passou-se à agressão da natureza. Ocorreu quando se usaram instrumentos de metal, lanças, machados e armas para matar animais e pessoas. A agressão foi se especializando até culminar na era industrial do século XVIII na Europa, começando na Inglaterra. Inventou-se um vasto maquinário que permitia extrair enormes riquezas da natureza. Passo decisivo na agressão  foi dado nos tempos modernos, quando surgiu a tecno-ciência com imensa capacidade de exploração da natureza em todos os níveis e frentes.

Partia-se da premissa de que o ser humano sentia-se “senhor e dono”da natureza e não parte dela, A ideia-força que o orientou foi a vontade de poder,entendido como a capacidade de dominar tudo: outras pessoas, classes sociais, povos, continentes, a natureza,a matéria, a vida e a própria Terra como um todo.

O inglês Francis Bacon expressou este propósito dizendo:”Deve-se torturar a natureza como o torturador tortura a  sua vítima, até ela entregar todos os seus segredos”. Aqui a agressão ganhou estatuto oficial. Foi e continua sendo aplicada até os dias atuais.

Partia-se do pressupondo (falso) de que os bens naturais seriam ilimitados. Isso permitia forjar um projeto de desenvolvimento também ilimitado.Hoje sabemos que a Terra é limitada e finita e que não suporta um projeto de crescimento ilimitado.Mas essa crença ainda é dominante. 

4.A destruição da natureza

Nos últimos decênios, de modo especial, depois da segunda guerra mundial (1939-1945), a sistemática agressão ganhou dimensões de verdadeira destruição de ecossistemas e da biodiversidade. A própria Mãe Terra começou a ser  agredida em todas as suas frentes.Para atender o atual consumo humano precisamos de uma Terra e meia,o que produz a Sobrecarga da Terra (Earth Overshoot) que neste ano ocorreu no dia 22 de julho.

Segundo notáveis cientistas inauguramos uma nova era geológica, o antropoceno, no qual o ser humano emerge como a maior ameaça à natureza e à vida. Chegou-se ao ponto de nosso processo industrialista e o estilo consumista de vida, dizimar anualmente cerca de 100 mil organismos vivos. A partir desta verdadeira tragédia biológica, fala-se do necroceno, quer dizer, a era da morte (necro) em massa de vidas da natureza e também de vidas humanas. Ecossistemas inteiros estão sendo afetados também o amazônico. Por fim alguns já se referem ao piroceno (Pyros em grego é fogo). A mudança do regime climático, o aquecimento irrefreável ressecam os solos e aquecem também as  pedras de tal forma que gravetos e folhas secas pegam fogo que se difunde, gerando grandes incêndios já vividos em toda a Europa, na Austrália,na Amazônia e em outros lugares.

Quem deterá o ímpeto e o furor destrutivo de ser humano que já construiu os meios de sua própria autodestruição com armas químicas, biológicas e nucleares? Só mesmo uma intervenção divina? Deus,segundo as Escrituras, é o Senhor da vida e o “amante apaixonado  da vida”. Irá intervir? As interrogações seguem abertas.

Leonardo Boff, escreveu O homem satã ou anjo bom?  Record, Rio de Janeiro 2008.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s