Pular para o conteúdo

Parte do Brasil seria composta de “burros trágicos”

18/03/2019

Em um dos seus escritos perguntava F. Nietzsche:”Pode um burro ser trágico? Pode na medida em que sucumbe ao peso de uma carga que não pode carregar, nem pode livrar-se dela”.

Há uma boa parte de nossa população que seria de “burros trágicos” num duplo sentido da palavra:

Num primeiro sentido, “burro trágico”é aquele que facilmente se deixa enganar por candidatos que suscitam falsas promessas, com slogans apelativos meramente propagandísticos, como “Deus acima de tudo e o Brasil acima de todos”(lema nazista-“Deutschland über alles“), “fora PT”, “combate à corrupção”, “resgate dos valores tradicionais” “escola sem partido” contra ”a ideologia de gênero“ “combate ao comunismo”, “contra “a cultura marxista”. Estas duas últimas bandeiras são de uma “burrice trágica”e palmar, num tempo que nem mais existe comunismo e que ninguém sabe o que significa exatamente “cultura marxista”.

Estes que gritam estas consignas e que se proclamam “gente de bem”, são os mesmos que mentem descaradamente a começar pelo atual capitão-Presidente, por sua “famiglia”, por aqueles que disseminam conscientemente fake news, ódios, raivas fenomenais, injúrias de todo tipo, palavrões que nem seus familiares poderiam ouvir e que mandam para o inferno, com complacência, para Cuba, Coréia do Norte ou para Venezuela os que pensam diferente.

Curiosamente ninguém os manda para China, onde de fato vigora o comunismo-maiosmo porque sabem que lá o comunismo funciona pois produziu a maior economia do mundo e que pode enfrentar militarmente a maior potência nuclear, os USA.

Esse primeiro tipo de “burro trágico” seria fruto da ignorância, da falta de informação e da maldade contra quem pensa diferente.

Existe um segundo tipo de “burros trágicos”: aqueles que seriam consequência de uma estratégia política de criação de “burros trágicos”, voluntariamente mantidos analfabetos, para melhor manipulá-los e terem sua base eleitoral cativa. Fazem-nos crédulos e seguidores de um “mito” inventado e inflado sem qualquer conteúdo digno de “um mito”.

Essa classe, dos endinheirados, criadora de “burros trágicos”, nem toda, graças a Deus, tem pavor de alguém que saiu de condição da “burrice trágica” e chegou à cidadania, desenvolver espírito critico e reclamar seus direitos.

O atual governo somente ganhou a maioria de votos porque grande parte dos eleitores foram mentidos na condição de “burrice trágica”. Foi negada a eles a verdadeira intenção escondida: de implantar um ultra-liberalismo à la antiga, de diminuir o salário mínimo, de cortar direitos sociais, para muitos, da bolsa-família, de modificar a legislação trabalhista para favorecer as empresas, de liquidar a farmácia popular, de diminuir os vários acessos dos pobres ao ensino superior e, acima de tudo, da profunda modificação do regime das aposentadorias. Se tivessem revelado esta intenção jamais teriam ganho a eleição. Por isso, ela resulta espúria, mesmo feita no rito democrático. Escandalosamente, assim como se fez com o Crucificado, tomaram as vestes nacionais e sortearam-nas entre si.

Não há como não reconhecer que alguns ministros seriam de uma “burrice trágica” e supina como a Ministra da Família, da Mulher e dos Direitos Humanos, o Ministro da Educação que sequer domina nossa língua, pois é um imigrado colombiano, o ministro do Meio Ambiente que não conhecia a figura e a relevância de Chico Mendes e o Ministro das Relações Exteriores, no qual a “burrice trágica” alcançaria sua quintessência.

Por que chegamos a este ponto tão baixo em nossa história? Celso Furtado morreu carregando esta interrogação:”por que o Brasil, sendo um país tão rico, seja tão atrasado e tenha tantos pobres?” Ele mesmo respondeu em seu livro que vale revisitar:”Brasil: a construção interrompida”(Paz e Terra 1992):

”Falta-nos a experiência de provas cruciais, como as que conheceram outros povos cuja sobrevivência chegou a estar ameaçada. E nos falta também um verdadeiro conhecimento de nossas possibilidades e, principalmente, de nossas debilidades. Mas não ignoramos que o tempo histórico se acelera, e que a contagem desse tempo se faz contra nós. Trata-se de saber se temos um futuro como nação que conta na construção do devenir humano. Ou se prevalecerão as forças que se empenham em interromper o nosso processo histórico de formação de um Estado-nação”(p. 35). As forças atuais, sob o governo do atual capitão-presidente, em continuidade de todo um passado, se empenham em interromper esse processo na forma de uma “burrice trágica” no sentido de Nie

 

 

tzsche.

Ou talvez, pensando positivamente, está se armando, sob o atual governo, a “nossa crise crucial” que nos permitirá o salto para um outro tipo de Brasil, com outros valores e com menos processos de proposital “emburrecimento” de grande parte de nosso povo. Então poderemos construir uma nação que nos orgulha  e que contribui para a fase nova da humanidade, aquela da Casa Comum, na qual toda a natureza viva e inerte e especialmente os seres humanos estão incluídos, amantes da vida e cuidadores de tudo o que herdamos do processo da evolução, ou no dialeto cristão, do propósito amoroso e poderoso de nosso Criador e Pai.

Leonardo Boff, teólogo, filósofo e escreveu Brasil: concluir a refundação ou prolongar a dependência, Vozes 2018.

13 Comentários leave one →
  1. José Ferreira permalink
    19/03/2019 4:46

    Sempre lúcido.
    Parabéns.

    Curtir

  2. João Martiniano da Silva Neto permalink
    19/03/2019 6:18

    Texto brilhante, atualíssimo e pertinente com a conjuntura política em que vive nosso país.
    Meus respeitos, Leonardo Boff.

    Curtir

  3. keller Apolinario Rosa da Silva permalink
    19/03/2019 8:00

    A tragédia é que os burros jamais se reconhecerão como burros!

    Curtir

  4. Marina Fonseca Coelho permalink
    19/03/2019 8:39

    Pelo visto, nosso país nunca teve um governante comprometido com a população. Discurso todos tiveram, palavras bonitas todos usaram mas não praticaram. As políticas que surgiram a partir do controle social, foram esquecidas, mal geridas, terceirizadas e até eliminadas, sem consulta popular. Nosso país desde o “descobrimento” e até hoje, foi e vem sendo saqueado. Vejo que nosso país tem um grupo que mesmo explorado e mal visto pela sociedade, vem carregando o país nas costa, e tem aqueles que a custa da própria dignidade, sujeita a viver da esmola e da pena alheia, ao invés de lutar por trabalho. No Brasil, patrão é ladrão, bandido é cidadão merecer de grandes valores, trabalhador é escravo sem valor. Até quando tudo isso vai perdurar? Sinceramente, defendo aquele que oferta trabalho, que paga seus impostos e garante o PIB brasileiro. Defendo fervorosamente aqueles que com o fruto do seu trabalho escreve a história de um país próspero. Quanto a classe política brasileira é necessário que se faça uma reforma política onde os privilégios sejam banidos e que o legislativo trabalhe em prol do povo que sustenta o país. Não sou a favor de partidos, sou a favor políticas sociais que contemplem toda a população do país independente de raça, credo e condição social. Defendo trabalho para todos…educação…direitos sociais e respeito à Constituição Brasileira. Chega de emendas, nossa constituição nasceu da iniciativa popular portanto acate-a, respeite-a e cumpra-se.

    Curtir

  5. Amaurih permalink
    19/03/2019 8:43

    Gozado… Não vi na esquerda nada que pudesse melhorar essa “burrice trágica”, pelo contrário… O fato de não terem tomado precauções em relação à falência da previdência, enquanto o deficit era melhor controlável, só corrobora com o entendimento de que a esquerda quis se locupletar dessa “burrice trágica”… Isso entre outras atitudes que premeditadas ou não que só fizeram aumentar a “burrice”… E com a anuência e forte colaboração da elite de pseudos intelectuais… Como o senhor, por exemplo…

    Curtir

    • 21/03/2019 0:16

      Amaurith, vc é cheio de contradições, ora apoia, ora acusa. Vá falar com algum pobre que ele lhe dirá que Lula foi o único que se preocupou com os pobres, pois tirou 36 milhões de fome e pelo jeito vc gostaria de que lá ficassem. Não vejo sentido em me seguir se não colabora com nada.

      Curtir

  6. PERICLES PEGADO CORTEZ permalink
    19/03/2019 8:56

    Excelente, como sempre! Com todo respeito que tenho pelo senhor, faltou para mim a categoria daqueles que esperavam pelo capetão-legião: “não é que Hitler pudesse ter existido, mas o fato de que tanta gente pareça ter esperado que aparecesse”**​Volker Ullrich” Hitler Ascent”*

    Curtir

  7. PERICLES PEGADO CORTEZ permalink
    19/03/2019 9:05

    Excelente como sempre. Mas, penso que existe a seguinte categoria em grande número: ​ “não é que Hitler pudesse ter existido, mas o fato de que tanta gente pareça ter esperado que aparecesse” Volker Ullrich” Hitler Ascent

    Curtir

  8. Marízia Costa Carmo Lippi permalink
    19/03/2019 22:48

    Muitos são a favor da escravatura. O escravo trabalha até morrer.Querem se livrar dos pobres, aos quais chamam de “gentalha”. São a favor do aborto. Quanto menos gente melhor! Endeusaram o dinheiro. Um deles pediu a Deus que tudo o que pegace se transformace em ouro; morreu de fome! Frase de caminhão: ” Há alguém tão pobre, tão pobre que a única coisa que tem é dinheiro!”

    Curtir

  9. Ebe Vieiro permalink
    22/03/2019 20:20

    Excelente é oportuno artigo. Pergunto-lhe: como posso ter um meio de contato com o grande mestre e pensador Leonardo Boff? E-mail ou Messenger ou telefone, agradeceria muito, há tempo desejo muito enviar-lhe uma carta.

    Curtir

  10. CARLOS FERNANDES DA SILVA permalink
    28/03/2019 15:30

    a esquerda respeite o resultado da sagrada urnas….

    Curtir

    • 02/04/2019 10:01

      Carlos, “sagradas”, as urnas? Elas foram envenenadas com fake news e calúnias A democracia não se resolve nas urnas a cada 4 anos. Ela deve ser cotidiana, respeitando direitos, defendendo os mais vulneráveis e fazendo politícas justas. O que o atual governo faz é exatamente o contrário. Por que Bolsonaro não disse na campanha que iria diminuir o salário mínimo, tirar direitos dos trabalhadores fazer uma reforma de Previdência que prejudica as mulheres, os idosos, os camponeses e outros mais destituidos? Isso é profanar as urnas. Se tivesse dito isso,garanto que vc não iria votar nele, pois penso que é uma pessoa honesta e que usa bem a razão. lboff

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: