Equívocos conceptuais no governo do PT

           Estimo que parte das razões que levaram multidões às ruas no mes de junho tem sua origem nos equívocos conceptuais presentes nas políticas públicas do governo do PT. Não conseguindo se desvenciliar das amarras do sistema neoliberal imperante no mundo e internalizado, sob pressão, em nosso pais, os governos do PT tiveram que conceder imensos benefícios aos rentistas nacionais para sustentar a política econômica e ainda realizar alguma distribuição de renda, via políticas sociais, aos milhões de filhos  da pobreza.

 

         O Atlas da exclusão social – os ricos no Brasil(Cortez, 2004) embora seja de alguns anos atrás, mantem sua validade, como o mostrou o pesquisador Marcio Pochmann (O pais dos desiguais, Le Monde Diplomatique, outubro 2007). Passando por todos os ciclos econômicos, o nível de concentração de riqueza, até a financeirização atual, se manteve praticamente inalterado. São 5 mil famílias extensas que detem 45% da renda e da riqueza nacionais. São elas, via  bancos, que emprestam ao governo; segundo os dados de 2013, recebem anualmente 110 bilhões de reais em juros. Para os projetos sociais (bolsa família e outros)  são destinados apenas  cerca de 50 bilhões. São os restos para os considerados o resto.

 

         Em razão desta perversa distribuição de renda, comparecemos como um dos países mais desiguais do mundo. Vale dizer, como um dos mais injustos, o que torna nossa democracia extremamente frágil e quase farsesca. O que sustenta a democracia é a igualdade, a equidade e a desmontagem dos privilégios.

 

         No Brasil se fez até agora apenas distribuição desigual de renda, mesmo nos governos do PT. Quer dizer, não se mexeu na estrutura da concentração da renda. O que precisamos, urgentemente, se quisermos mudar a face social do Brasil, é introduzir uma redistribuição que implica mexer nos mecanismos de  apropriação de renda. Concretamente significa: tirar de quem  tem demais e repassar para quem tem de menos. Ora, isso nunca foi feito. Os detentores do ter, do poder, do saber e da comunicação social conseguiram sempre impedir esta revolução básica, sem a qual manteremos indefinidamente  vastas porções da população à margem das conquistas modernas. O sistema politico acaba servindo a  seus interesses. Por isso, em seu tempo, repetia com frequência Darcy Ribeiro que nós temos uma das elites mais opulentas, antisociais e conservadoras do mundo.

 

         Os grandes projetos governamentais destinam porções significativas do orçamento para os projetos que as beneficiam e as enriquecem ainda mais: estradas, hidrelétricas, portos, aeroportos, incentivos fiscais, empréstimos com juros irrisórios do BNDES. A isso se chama crescimento econômico, medido pelo PIB que deve se equacionar com a inflação, com as taxas de juros e o câmbio. Priviligia-se o agronegócio exportador que traz dólares à agroecologia, à economia familiar e solidária que produzem 60% daquilo que comemos.        

 

O que as multidões da rua estão reclamando é: desenvolvimento em primeiro lugar e a seu serviço o crescimento  (PIB). Crescimento é material. Desenvolvimento é humano. Signfica mais educação, mais hospitais de qualidade, mais saneamento básico, melhor transporte coletivo, mais segurança, mais acesso à cultura e ao lazer. Em outras palavras: mais condições de viver minimamente feliz, como humanos e cidadãos e não como meros consumidores passivos de bens postos no mercado.  Em vez de grandes estádios cujas entradas aos jogos são em grande parte proibitivas para o povo, mais hospitais, mais escolas, mais centros técnicos, mais cultura, mais inserção no mundo digital da comunicação.

 

O crescimento deve ser orientado para o desenvolvimento  humano e social. Se não se alinhar a esta lógica, o governo se vê condenado a ser mais o gestor dos negócios do que  o  cuidador da vida de seu povo, das condições de sua alegria de viver e de sua admirada criatividade cultural.

 

As ruas estão gritando por um Brasil de gente e não de negócios e de negociatas; por uma sociedade menos malvada devido às desigualdades gritantes; por relações sociais transparentes e menos escusas que escondem a praga da corrupção; por uma democracia onde o povo é chamado a discutir e a decidir junto com seus representantes o que é melhor para o país.

 

         Os gritos são por humanidade, por dignidade, por respeito ao tempo de vida das pessoas para que não seja gasto em horas perdidas nos péssimos transportes coletivos mas liberado para o convívio  com a família ou para o lazer. Parecem dizer: “recusamos ser apenas animais famintos que gritam por pão; somos humanos, portadores de espírito e de cordialidade que gritamos por beleza; só unindo pão com beleza viveremos em paz, sem violência, com humor e sentido lúdico e encantado da vida”. O governo precisa dar esta virada.

 

Leonardo Boff é autor de Virtudes por um outro mundo possível (3 vol) Vozes 2006.   

 

162 comentários sobre “Equívocos conceptuais no governo do PT

    • TINHA QUE SER A VOZ DE UM PROFETA COMO LEONARDO BOFF PARA DIZER TUDO QUE ESTAVA PRESO EM NOSSOS CORAÇÕES E MENTES. OBRIGADA MESTE POR SUAS SABIAS PALAVRAS.

      Curtir

      • TINHA QUE SER A VOZ DE UM PROFETA COMO LEONARDO BOFF PARA DIZER TUDO QUE ESTAVA PRESO EM NOSSOS CORAÇÕES E MENTES. OBRIGADA MESTRE POR SUAS SABIAS PALAVRAS.

        Curtir

    • Esta reflexão destoa um pouco do que o Sr. escreveu para o sítio eletrônico Rede Brasil Atual: http://www.redebrasilatual.com.br/politica/2015/03/democracia-amadureceu-e-nao-e-igual-a-64-afirma-leonardo-boff-1931.html, recentemente, pois, em uma, as manifestações de junho eram legítimas e, na outra diz que as manifestações de março foram feitas por quem têm as panelas cheias. Não entendi. Que a Imprensa é parcial e sensacionalista já sabemos, mas não podemos considerá-la nesse momento. As manifestações tanto de junho/2013, quanto as de março de 2015 são legítimas e de um povo que se decepcionou com um partido que prometeu todas as reformas necessárias e que não saíram do papel, pois foi subserviente às classes dominantes do País, a quem sempre condenou. Até a luta pelos excluídos tem que ser equilibrada, o radicalismo e o fanatismo não faz bem a nenhuma luta, acabam por cegar e desqualificar qualquer nobre causa.

      Curtir

  1. Caríssimo, Leonardo Boff! É extremamente importante, neste momento, textos como este que demonstra a profundidade (abissal) do problema social que o país se encontra. São raros os esclarecimentos da complexidade das relações entre os setores econômicos, políticos e sociais. Sem esses esclarecimentos, fica-se com a ingênua crença que basta sair em manifestações, exigir da presidente mais investimentos aqui e ali, e tudo se resolve. Manifestações populares são importantes, sim, claro! Mas, é imprescindível saber quem de fato comanda esta situação absurda de abandono da população pelo poder público. Se é que se pode chamar de “poder público”, já que atende mais a determinados interesses particulares! E é isso que me assusta, o sentimento é que não tem ninguém no comando do país. Sinto que estamos num “Titanic” afundando, os que podem se protegem nos escassos botes salva-vidas, enquanto a orquestra regida pelo governo toca, ou melhor inaugura estádios para copa! É de dar medo.

    Curtir

    • Cara Silmara, infelizmente um presidente da República não tem força para resolver os problemas sociais do país. São problemas estruturais. Por exemplo: o Congresso Nacional é formado por uma maioria rica ou milionária, portanto está a serviço dos grandes grupos poderosos economicamente, os quais eles representam. E o povo, desinformado, corruptíveis, são massa de manobra nas mãos desses políticos que se perpetuam no poder. Acredito que mudaremos os rumos do nosso desenvolvimento quando o povo trabalhador escolher representantes que representem de verdade a classe trabalhadora e trabalhem para a melhoria de vida dos mais pobres. Somos um país rico de um povo pobre.

      Curtir

      • Petty,
        Sua intervenção é boa. Mas, sobre o povo “…escolher representantes que representam de verdade a classe trabalhadora…”, tem que se perguntar:
        Quando? Quem? Como? Se muda um país, com mudança de mentalidade. Perceba a mentalidade da maioria dos políticos, das pessoas, dos jovens….
        Deus nos dê consciência.

        Curtir

      • Concordo, Petty, e acho que isso faltou no artigo, um parágrafo ou dois que explicitasse as condições políticas do momento e o quanto elas são limitadoras para o governante, para a nossa presidenta. Adotar políticas mais arrojadas de distribuição de renda e combate a essa desigualdade brutal, histórica, requer, obrigatoriamente, uma nova correlação de forças no Congresso que não é possível sob as atuais regras eleitorais, por isso é tão importante uma reforma política, que não vai acontecer sob esse Congresso Nacional que nós temos aí. Uma virada, como quer Leonardo Boff, só será possível com uma pressão continuada das ruas, mas com um foco claro na mudança nas regras do jogo político, o que só será possível, na minha opinião, com uma Constituinte Exclusiva.

        Curtir

  2. E no governo de Dona Dilma tem-se a sensação de que a coisa parece pior. A inflação tem andado por cima. Pessoalmente começo a me sentir (financeiramente) em uma situação semelhante à dos tempos de FHC, quando, pra abastecer o carro, tinha que dar cheque pré-datado, o que significa que pegava empréstimo.
    Mas uma pergunta difícil de se responder é: “Como saltar fora desse processo de se governar para os ricos, sobretudo numa sociedade em que a própria classe média parece detestar os menos favorecidos?” Como fazê-lo sem romper com a “ordem” vigente, e consequentemente atrair as possibilidades de uma reação violenta por parte daqueles que mandam?

    Curtir

  3. Tirar de quem tem demais e repassar para quem tem de menos… ta ai uma coisa que acredito que a maioria dos manifestantes da Avenida Paulista concordem… só duvido que aceitem que a parte a ser tirada seja a deles!

    Curtir

    • Caro Toninho
      Concordo em, parte, com você. Acho que do modo que nosso governo está fazendo, está criando uma legião de vagabundos e desocupados, os quais nas eleições serão “votos contados”.
      Em minha opinião, as bolsas deveriam ser distribuídas casos emergenciais e por curtos períodos, assim mesmo atrelados à condição de que, quem as recebe, tenha uma atividade útil à sociedade.

      Curtir

  4. Estou extremamente emocionada com suas palavras professor, é exatamente o que sinto neste momento tão delicado que nosso país está passando. Graças a Deus tenho uma vida “confortável” olhando para o material e pessoal, mais acredito que a felicidade, a faz parte de um contexto, que engloba não só uma vida restrita, mais sim o meio em que vivemos e nosso olhar para e pelo mundo, para mim, esta é a completa felicidade! Mas quando estou no meu trabalho, que é em um hospital público do estado e vejo pessoas morrendo muitas vezes por questões que poderiam ser evitáveis..como falta de um medicamento, de um suporte avançado, em filas de espera etc…Quando vejo a sociedade ser encolhida e atacada pelas drogas, pelo tráfico sem ver nenhuma medida drástica ser tomada pelo governo..quando vejo, pessoas deixando de querer ser trabalhadores para serem somente usuários de bolsa família e aumentando sua prole somente neste intuito…quando vejo que pago horrores de impostos, desde o alimento que consumo até o meu suado trabalho, e não consigo usar um hospital público, matricular meus filhos em uma escola pública e utilizar de transporte público dignos… Isso me deixa revoltada, triste por estarmos deixando essa herança para nossos filhos, e detalhe e ainda nas mãos, sendo liderados por corruptos que estão no poder, que só pensam em seus próprios interesses nos tirando o mínimo de uma sociedade justa e feliz!!!

    Curtir

    • É o que sinto também, Josiane. Votei em Lula todas as vezes em que ele se candidatou. Mas o artigo acima é de um petista querendo colaborar, “corrigir rumos”, e não o de um sincero crítico do PT.
      O governo não “vai dar essa virada”. Até parece que ele está falando de alguém recém-eleito, e não de um grupo que está há onze anos com a chave do cofre na mão — e não faz nada, a não ser compactuar com a roubalheira e o governar para dentro que pautam a conduta de todos os governantes deste país desde seu descobrimento.
      Eu desisti do PT. Hoje sou um ferrenho opositor desse partido. Quero ver essa turma longe, bem longe do dinheiro dos impostos que pago.

      Curtir

  5. responder o comentar ante la claridad conceptual de Boff, sería subestimar a los lectores, gracias por tu coherencia!!!

    Curtir

  6. Perfeita sua análise, mais do que críticas vazias precisamos saber quais são de fato os problemas para podermos chegar as suas soluções. Aproveitemos, reconheçamos o que foi feito de bom e, tenhamos coragem e maturidade de nos preocuparmos com o que deverá ser mudado.Há situações graves, os presídios por exemplo. Todos rigorosamente todos os governos negligenciaram, hoje os presídios são pocilgas. Não se admite isso. Assisti ao programa de Lasier-Conversadas Cruzadas, nesta sexta-feira e todos participantes entendem que o problema atual seria mais técnico que político porque ferem, na maioria, dispositivos constitucionais..E, para isso, penso na realidade: contamos com a inteligência de nossa presidenta, que é aberta ao conhecimento como um todo, registrando-se que ela herdou uma casa deteriorada também.Torço pela virada do Governo, muita gente já morreu de fome ” do pão e da beleza”, há mortes por negligência, o discurso inútil, debates da classe política não leva a nada ( jogo de poder), atirando a sociedade a sua sorte. Um abraço, lerei mais vezes seu artigo,Isabel

    Curtir

  7. Para a verdadeira mudança é necessário avançar nas políticas estruturais de nosso Pais para alcançarmos , uma vida sustentável para a população principalmente a mais vulnerável.

    Curtir

  8. Note que quem foi as ruas foi uma classe média exaurida e cansada de pagar a conta dos programas sociais do governo do PT, enquanto os grandes tubarões capitalistas se tornam cada vez mais ricos. A concentração de renda é tão grande que é evidente. fere, agride. A propósito sou professor e veja a concentração se fazer inclusive aliada a contravenção , crime organizado, corrupção e outras barbaridades enquanto nos dizem que não há dinheiro para pagar um piso miserável.

    Curtir

  9. Me desculpe, Frei…

    Mas, esta via de distribuir renda não é a mais importante, de forma totalitária, através de uma tributação brutal,como que a PT faz hoje, com cerca de 40% de carga tributária, gerando a maior corrupção, roubo público, desde Adão e Eva.

    O que se precisa mesmo é investir-se na emancipação Cultural do Povo, de modo a que ele com as próprias pernas e cabeça mexa com o sistema, paralelamente ao investimento na infra estrutura para o País crescer, de modo a gerar emprego e renda. O resto naturalmente se faz , do ponto de vista de distribuição.

    Sem renda, riqueza, a produção cai,porque a riqueza é sempre virtual, mesmo os problemas de miséria o são… Muitos dos parâmetros de pobreza atuais poderiam ser sinais de vitalidade , de sobrevivência da espécie. Hoje nasce-se muita gente,muita gente mesmo, e os sistemas sociais não estão dando conta. Estamos destruindo o Planeta. Na vida natural as dificuldades selecionavam os mais aptos, os mais saudáveis, os mais fortes..Hoje, isto não existe e o Planeta está se degenerando..Enfim, esta é outra questão gigantesca que o Mundo não está resolvendo.. Somos já 200 milhões e quanto éramos 100 tinhamos inidices de qualidade de vida bem melhores.

    Ou seja, toda a ideologia comunista de distribuição de renda foi demolida,na medida que partiu de inúmeras premissas falsas, quanto testadas na realidade. Ainda estamos engatinhando Culturalmente, porque somente temos 5000 anos de escrita, Civilização, e isto é muito pouco para dominarmos a Natureza, desde a do Reino Mineral à do Reino Animal

    Curtir

    • George
      A questão da distribuição e redistribuição da renda não tem nada que ver com comunnismo mas com justiça social. Parece que vc acha certo que 5 mil familias extensas tenham 43% de toda renda nacional. E os demais como ficam?
      lboff

      Curtir

      • Leonardo, acredito em tuas palavras. Elas têm a marca da verdade. O meu partido (PT) está doente, pois em seu interior entrou organismos mal intencionados e/ou desvirtuados e o corpo inteiro não reage. Agora , no que se refere à análise das manifestações, as pessoas reagem à tua maneira de ver por não entender o contesto geral, pois vêem somente em partes desconsiderando que tudo está interligado. Que por exemplo, as migalhas provenientes das políticas sociais do governo, beneficiam muito mais ao sistema do que propriamente aos beneficiários diretos.

        Curtir

      • Meu caro prof. Boff,
        Parece que a maioria das pessoas que o acusam de comunista não sabe nem o que é comunismo, vc concorda? A gente percebe que, para elas, tudo aquilo que defende a justiça social é comunismo. Bem como assim acontece com os que detestam a teologia da libertação sem terem lido, sequer, o seu livro JESUS CRISTO LIBERTADOR.
        Assim, com esse nível de compreensão, fica difícil de instruir o povo para lutar por seus direitos sociais.

        Curtir

  10. O ser humano é falho, sendo que a saída para o fim da corrupção seria uma democratização digital com um partido online, que possuísse representação numérica proporcional, definida por indivíduos (eleitores) que não são representados por políticos, mas sim pela maioria numérica do partido.

    Os números são exatos e corruptos não conseguem negociar com com sistemas de informação !!!!

    Curtir

  11. O problema são as consequências que as manifestações das ruas poderão trazer, A ída do povo às ruas, enfraqueceu a popularidade da presidente, o PT teve os seus erros, a muito não é o PT de sua origem. A questão é: Quem se fortaleceu? Caso o PT perca as eleições presidenciais ano que vem, quem entrará em seu lugar? Sabemos que um perigo iminente nos rodeia, uma direita extremamente fascista pode ser a única beneficiada com tudo isso que se passou de Junho pra cá, e caso isso aconteça, todo esse clamor das multidões, poderá ter se tornado o mais vão dos gritos e estaremos retrocedendo e consolidando ainda mais essa desigualdade gritante neste nosso país.

    Curtir

    • Esse é meu medo também Mateus, e de vários que conheço. Há que ter cuidado com uma virada de direita!

      Curtir

      • Concordo tb, inclusive que os militares estão sendo preservados. Só as instituições civis estão sendo esculhambadas. Mas tb não devemos fingir que nada está acontecendo só porque pode ainda piorar mais. Precisamos melhorar o que não está bom. Não adianta só dinheiro sem GERENCIAMENTO. Tem que sabe se o dinheiro empregado chegou lá na ponta, nos hospitais, nas escolas e se PRODUZIU O EFEITO NECESSÁRIO.

        Curtir

  12. Excelente análise. Queira os homens de boa vontade possam ter a consciência de que “a coisa pública” seja realmente para a população e que o princípio “a cada um segundo suas necessidades” seja um imperativo da ação destes políticos que olham o umbigo e enxergam seus bem feitores como privilegiados.

    Curtir

  13. A ideia de que “os governos do PT tiveram que conceder imensos benefícios aos rentistas nacionais para sustentar a política econômica e ainda realizar alguma distribuição de renda,…” talvez seja um eufemismo e, como tal, coloca o PT na condição de “vítima do sistema”. Tadinho do PT, tão bem intencionado, mas não conseguiu fazer o que queria (crescimento com desenvolvimento humano) porque foi impedido. Essa é uma visão um tanto ingênua da complexidade que envolve a disputa pelo poder político no Brasil. Considero-me de esquerda e, milito na área social há anos. Já fui, inclusive, filiado ao PT. Eu continuo militando a favor das questões que acredito, mas há cada ano, percebo menos identificação do PT e dos seu membros, com as demandas sociais e lutas populares. O que repercute no esvaziamento ideológico, mudança de paradigma e mesmo ausência nos movimentos sociais e manifestações que trazem do seu bojo uma perspectiva realmente revolucionária, ou seja, que busca transformações estruturais e não apenas mudanças oportunistas. Portanto, penso que a posição assumida pelo PT em busca do poder, não se trata de algo que “tiveram que conceder”, como o herói ou santo que se martiriza em nome de uma causa, nem como uma ação estratégica e temporária em busca de “algo melhor” para o povo. Trata-se, outrossim, da perda de sua identidade social popular, trata-se da burocratização do seu “fazer política” e, em última instância, do abandono das utopias que ajudaram a fundar o partido e lhe deram vitalidade ética durante ano… Lamento e sinto saudades daquele outro PT (que não voltará mais). Hoje ele está corroído pelas alianças espúrias com forças políticas conservadoras e tradicionais. E assim também se tornou. Não como um equívoco, mas como parte da lógica que assumiu a partir da linha de atuação que foi escolhendo. Que amargue agora o repúdio popular… O PT não é mais de esquerda e, portanto, não me representa.

    Curtir

    • Concordo, Augusto Tavares. Não dá pra ter pena de um partido que já está no poder a uma decada e espantou inclusive a malvada direita com seu pragmatismo econômico na entrada, e a sociedade de um modo geral com suas praticas escusas de governança. Eu não tenho concordado com o Boff, acho que o coração dele está no lugar certo, só não entendo sua defesa intransigente do PT custe o que custar. Para mim seria muito mais útil uma posição mais isenta e o uso de seu grande conhecimento numa critica mais realista e menos antagonista/partidária da sociedade e da politica. Não posso acusar aqui o Boff disto, mas me ressinto extremamente de uma implicação sempre presente que o problema são os valores e a própria classe média, algo que esse artigo desmistifica. A classe média tem sido o bode expiatório e o escudo dessas 5mil familias ultra poderosas, que de um modo geral ficam fora do radar da sociedade. O problema é a estrutura hierarquica, imperial, escravocrata, historica de nossa sociedade, aonde alguns são donos, e outros apenas cidadãos de mentirinha. Uma estrutura aonde todos os fluxos beneficiam os entronados nessas piramides invisiveis, faraózinhos. Estrutura tão arraigada que independentemente de quem se bote no centro de seu circuito distorcido, o resultado da computação social é sempre o mesmo, corrupção, acumulo de riqueza e poder em 5mil bolsões familiares privilegiados. O movimento das ruas, classe média (!?) que nao aceitou bandeiras ideologias e manipulações tem uma voz bem mais profunda e complexa, e no entanto manifesta-se poderosamente simples, e que não cabe nos escaninhos e nos cantos estreitos das ideologias de séculos passados. A história e as lutas, valem, mas olha o presente que está se revelando, aqui tem algo novo que pede olhos e coração descomprometidos. Se os Petistas rasgarem suas camisas e vierem pra rua com sua dignidade e voz em prol da justiça, liberdade e igualdade, estou com eles como estou com o meu próximo, pra desmantelar as cidadelas e as mentiras que nos tem, a todos incluso os malfeitores, como refens de um projeto de mundo insustentavel.

      Curtir

    • Poxa, expressastes exatamente o que penso e coincidentemente temos a mesma história com o PT e infelizmente com o mesmo triste desfecho.

      Curtir

  14. Muito interessante. Porém tenho dificuldade em aceitar a afirmação de que o PT não tenha conseguido “se desvencilhar”, como se vítima fosse, visto que o partido se atirou com avidez aos braços de “tudo isso que esta(va) aí”, para obviamente viabilizar seu projeto de poder, e que de concreto nada, além de retórica e do velho assistencialismo que apenas gera dependência, fez para mudar o sistema político-legal que no fim das contas legitima a concentração de renda e a injustiça. Desigualdade.. Sempre haverá, a justiça reside em além se tratar os iguais igualmente, tratar os desiguais desigualmente, na proporção de sua desigualdade, como nos legou a filosofia grega. E hipocrisia é sempre a mesma coisa, seja de direita ou esquerda, e não importa a sigla.

    Curtir

    • Pertinente e lúcido, Aluisio, o comentário. Resta saber se Leonardo Boff vai desvencilhar-se e não “desvenciliar-se” das armadilhas ortográficas. E olha que o doutor em teologia privilegia-se e não “priviligia-se” de ter tido uma educação de elite na ordem franciscana.

      Curtir

  15. Meu caro Boff,
    Perfeita a sua análise. A distribuição de renda, como você disse com maestria, é perversa e amamenta outros fins de perigosos interesses dos que administram o país. Entende-se que o Brasil dos brasileiros não é, nem de longe, o mesmo dos que o dirigem. Os interesses são absurdamente distintos: povo quer o desenvolvimento honesto e seguro que nunca vem; governo arquiteta investidas politicamente legais para enriquecer uma minoria que não tá nem aí para a maioria que sofre no leito esplêndido da miséria.
    Falando de forma prática, enquanto não houver uma política HONESTA de parceria entre governo e sociedade civil organizada, no que concerne às políticas públicas e sociais, o desenvolvimento não virá em sua integralidade humanitária.
    Há anos desenvolvo projetos em nível de gestão pública e ações comunitárias (urbana e rurais), no âmbito das três esferas de governo: municipal, estadual e federal. E conheço, in loco, o quanto as comunidades sofrem com isso.
    Além das burocracias que a gente, enquanto técnico, enfrenta, há um vício avidamente sôfrego na política de avaliação e aprovação de recursos para as políticas públicas e sociais. Quem mais sofre com isso são as fundações e entidades sociais que realmente se propõem a desenvolver um trabalho honesto.
    É o seguinte: (1) os projetos só são aprovados se ficarem 30% com os técnicos do governo que os avaliam; (2) depois de liberados, os 70% que restaram entram numa política inescrupulosa de superfaturamento e fatiamento dos parlamentares que ajudar na viabilidade dos recursos; (3) e quando os recursos vêm via governo do Estado ou do Município, as entidades sociais nunca veem a cor do dinheiro, isto é, os recursos nunca são repassados; (4) para piorar, a maioria dos políticos têm fundações e entidades de interesse público em nome de laranjas para praticarem o vicioso desvio de recursos, de modo que as entidades que não têm apadrinhamento político nunca conseguem aprovar seus projetos.
    Por isso entendo seu “grito” em favor dos movimentos sociais que estão nas ruas:
    “As ruas estão gritando por um Brasil de gente e não de negócios e de negociatas; por uma sociedade menos malvada devido às desigualdades gritantes; por relações sociais transparentes e menos escusas que escondem a praga da corrupção; por uma democracia onde o povo é chamado a discutir e a decidir junto com seus representantes o que é melhor para o país”.
    Sinceramente, pessoas simples como nós precisamos nos organizarmos por uma voz só: reivindicação por mudança e desenvolvimento. Diante desse mar de corrupção, o povo não pode esperar grandes coisas dos governantes.
    Parabéns pelo artigo!

    Curtir

  16. Para que tenhamos essa mudança, só se o povo pegasse uma bomba e explodisse o Senado e o Congresso, e aí, talvez tivéssemos um país de todos.

    Curtir

  17. Extenso, mas li até os comentários, muito interessante, mas nunca teremos uma solução para tal problemática face a complexidade. De fato, muitos daqueles que acordaram concordariam que houvesse uma melhor redistribuição de renda no país, desde que não fosse da sua riqueza. Lula tinha como maior sonho que ao final do seu governo cerca de 20 milhões de brasileiros pudessem fazer as refeições por dia, acho que realizou. Mas muito do que gostaria de fazer não o fez porque conquistou apenas o governo, não ganhou o poder. O sistema decorre de uma grande trama social e qualquer um que não cumprir as regras, que não governar de acordo com o direito posto será apeado do poder. Nas obstante tudo isso, é inegável que a pirâmide social após o governo do PT deixou de ter aquela forma piramidal e milhões, sim, ascenderem de sua base, por mais que façamos vistas grossas e ouvidos moucos, independente dos equívocos conceptuais.

    Curtir

  18. Parabéns a todos pelos comentários, somente pela informação deixaremos de ser um povo que vive como Alices no país das maravilhas, pois sabemos que as maravilhas são para poucos. Também sou esquerdista e luto pela minoria manipulada e pela diminuiçaõ da desigualdade social. No cenário internacional, nunca tivemos vóz ativa, nossos governantes estão sempre em cima do muro, querem combater a espionagem internacional, mas de que forma se nem a internet 3G funciona direito? Até quando seremos o país do futuro? Já passou da hora de nos tornarmos protagonistas dessa história.

    Curtir

    • Errata: Onde se lê minoria manipulada, considerar elucidação da maioria populacional que é manipulada pela minoria.

      Curtir

  19. Parabéns professor, por entender o sentimento do povo e mudar seu conceito que, em primeiro lugar tentou salvar a Dilma em dizer que o PT tirou gente da miséria, e ao contrário somente criou vagabundos, ai tentou filosofar ainda tentando defender o PT, e enfim convencido pelos comentários fez uma bela análise do que esta acontecendo no País, ou seja, temos um governo para uma minoria que comanda as finanças e desde que o integrante do executivo, legislativo e judiciário faça parte desta minoria, aceitam sem pestanejar a política do Lula que desde o início rotulei de “milho e milhão”, ou seja, da um milho aos pobres e um milhão aos ricos.
    E por ai professor, com pessoas de mente brilhante como a sua e força de comunicação conquistada que esperamos mudar esta plataforma enraizada não só no Brasil, mas na maioria dos Países capitalistas.

    Curtir

  20. STEFAN MANTU - Membro do Comitê de Luta em defesa da Ilha do Fogo e do Rio São Francisco disse:

    Caro Leonardo…
    Quando em 2.002 o PT (já desnaturado através da destruição dos núcleos de base que impediam a capitulação capitaneada por José Dirceu) optou pela política de alianças com partidos burgueses,ficou evidente o rumo que iríamos tomar: programas de “compensação social” que não atendem nossas históricas reivindicações.

    Fazer reforma agrária (terra para quem nela trabalha) sentado ao lado dos latifundiários ??

    A única e verdadeira aliança deveria ter sido com o povo organizado e nas ruas lutando.

    Curtir

  21. É verdade em parte , quem foi pras ruas não era o povão trabalhador , em sua maioria eram pessoas da classe média .

    Curtir

  22. A grande questão de tudo isso é a governabilidade e o sistema eleitoral, senão vejamos.

    1º -Sobre o sistema eleitoral:
    Financiamento privado de campanhas, elege prioritariamente representantes dessas 5.000 famílias de rentistas e da elite concentradora, pois candidatos que verdadeiramente pretendem melhoras as questões sociais e desconcentrar renda, simplesmente não recebem doação de campanha, ou seja, não se elegem, com isso a elite não tem somente a concentração de renda, mas também concentração política, são literalmente DONOS de políticos eleitos.
    2º – Sobre governabilidade:
    O PT tem menos de 18% de deputados e senadores e ainda assim alguns nas condições acima expostas, da amarra com doações de campanha. Eu diria que entre toda a base aliada, não temos 30% de deputados e senadores com o perfil necessário para fazer as mudanças , conforme a acertiva análise do caro Leonardo Boff….
    Sabendo-se que são necessários 50%+1 de votos para formalizar leis e 3/5 para as ditas PECs, tiremos o “cavalo da chuva”, não haverão mudanças sem que se faça a reforma eleitoral.
    Interessante que a oposição que treme de medo de uma reforma político/eleitoral, que possa mudar o sistema de financiamento de campanha, de privado pra público, hipocritamente diz que não foi reforma política que o povo pediu nas ruas.
    Mas não nos enganemos, ficará tudo “como dantes no quartel de Abrantes” se não houver essa reforma. De maneiras que temos de mudar o foco dos protestos, priorizando pressão para que haja uma rápida e efetiva mudança no sistema político/eleitoral, o “resto” será consequência.

    Curtir

  23. Republicou isso em Blog do Hebert Limae comentado:
    Leonardo Boff faz, como sempre, uma análise realista das manifestações que tomaram conta do país em junho passado e vai a raiz do problema: o sistema capitalista, que mercantiliza as relações humanas e maximiza a desigualdade.

    Curtir

  24. “Tirar” das 5 mil famílias e “dar” aos filhos da pobreza não é o mesmo que iniciar uma guerra civil? Com possibilidade de intervenção estrangeira?

    Curtir

  25. Ótima análise da situação, após dez anos de governo petista. Mas nada indica que, após uma década, o partido que já foi dos trabalhadores, dê algum tipo de virada em direção aos anseios populares. Infelizmente… O que ainda justifica o apoio a este governo que não toca na estrutura da injustiça, Boff?

    Curtir

  26. Tudo bem, mas acreditar em economia é péssimo. Aí vai grande parte dos erros. Distribuição de direitos/meios de comando, não exatamente de renda.

    Curtir

  27. Muitos ex-militantes do PT e de outras agremiações de esquerda, inclusive gente nem tão radical assim, não chama o que ocorre de “equívoco conceitual”. Chama de traição deliberada e consciente ao programa, ao espírito e à intenção com que o PT foi fundado em 1980. Não foi só o conceito de socialismo real que foi abandonado em 1989. Foi todo o arcabouço ético e todo o élan de transformação radical da sociedade, e bem antes das eleições de 2002. O balanço oficial interno das eleições de 1989 mostrou que a Articulação dominara o PT de tal forma que reformá-lo por dentro se fazia impossível. Quem teimou nisso, como a Convergência Socialista (hoje PSTU) e o pessoal hoje no PSOL acabou expulso ou obrigado a sair. Muitos militantes de base continuaram a votar no PT como mal menor mas se afastaram já na década de 1990. Não à toa, em 2002 o PT foi considerado “confiável” o bastante pelos grandes investidores internacionais e pelo empresariado brasileiro, e a crise social séria o bastante, para que a eleição de Lula não fosse contestada pela direita. O que esta não esperava era que a bonança econômica mundial e as políticas sociais satisfizessem de tal modo uma demanda reprimida histórica que, mesmo apenas administrando o capitalismo brasileiro sem tentar mudá-lo, o PT continuasse a ganhar uma eleição presidencial atrás da outra. Agora eles querem mamar também mas o partido não larga o osso e, elas por elas, o povo pobre vota em quem lhe dá alguma coisa. Mas este modelo populista, como o de 1960, se esgota rapidamente em meio á crise mundial e às contradições internas, e e balança pende de novo para a direita como uma solução falsa, mas simplista. Como nos EUA, o que temos hoje no Brasil é o partido único hegemônico da oligarquia, sendo o governo e a oposição apenas alas do mesmo, como Democratas e Republicanos o são. Há diferenças? Sem dúvida. Mas são estas grandes o bastante para justificar apoios? Os movimentos sociais e o povo nas ruas começam a perceber que não. A questão é que pouca gente acha acha que há alternativas viáveis. Menos gente ainda se dispõe a reconstruir a proposta do PT do zero, e pouquíssimos crêem na idéia de refazer a política como propôs Florestan Fernandes, por fora e contra uma ordem corrupta e fechada a transformações institucionais, nas quais as regras do jogo mudam sempre que os honestos podem ganhá-lo; e os interesses criados tudo dominam. Mas receio que o futuro provará que não há outra alternativa senão construir a democracia lentamente no seio da sociedade para depois impô-la ao Estado. Até lá, o jeito é buscar sobreviver.

    Curtir

  28. O PT jamais chegaria ao poder através de um apoio popular, de um rompimento absoluto com os que mantêm o poder econômico, os mesmos que sempre vampirizaram e usufruiram desse estado cruel de diferenças sociais, “os filhos da pobreza”. Sendo assim, “tiveram que conceder imensos benefícios aos rentistas nacionais para sustentar a política econômica e ainda realizar alguma distribuição de renda, via políticas sociais”…
    Por isso compreendo, admiro, respeito, perfeitamente a clareza de sua fala…
    Entendo também que este partido, se “prostituiu” com os anos, infelizmente, com a resistência de alguns, perseverantes e bravos batalhadores, que ainda o representam e com o oportunismo sujo e covarde de muitos… infelizmente…
    Urge que tenhamos uma mudança estrutural, que dê origem a políticas públicas que a possibilitem…
    Neste movimento, surpreendente das manifestações de massa, Dilma e alguns muitos que a cercam e a admiram, podem se fortalecer e se apoderar a ponto de conquistarem expressivas mudanças … a hora é agora…
    Certamente encontrará resistências ferozes, nesse emaranhado de “ratos do poder”… por que não colocá-los à mostra, evidenciá-los, denunciá-los, expô-los ao crivo das massas?
    Não podemos ficar apenas nas críticas fugazes, nos omitir ou nos amedrontar… pode ser o único momento nessa etapa de nossa história e poderá demorar uma eternidade para o nascimento de uma próxima…

    Curtir

  29. Não entendo porque reclamam tanto da “cruel distribuição de renda” no Brasil, comparativamente à dos EUA e países europeus. Nos EUA, por exemplo, 1% da população controla 80% da renda nacional, enquanto este percentual, no Brasil, cai a 50%. Isto significa que os EUA são mais ricos “accross the board” e não que tenham melhor distribuição de renda que o Brasil. O que nos remete à máxima de Churchill: “A desvantagem do capitalismo é a desigual distribuição das riquezas; a vantagem do socialismo é a igual distribuição das misérias.”

    Curtir

  30. Caro Boff, gostei da sua análise, Mas um fato me vem a consciência desde há uns dois anos atraz. Eu fui percebendo que somos socialmente dominados por um complexo cultural que é o coronelismo. Esta forma de relação com o poder perpassa o corpo social nas várias camadas da população. É uma forma de apropriação do poder que foi se solidificando no Brasil como comportamento de quem tem uma responsabilidade com um cargo mais elevado.
    Eu passei a entender que o Lula entendeu esta forma de ação e sua linguagem, talvez sem muita critica e de forma intuitiva, e a utilizou a favor da maiorias excluídas. O que dá numa relação meio paternalista e clientelista. e não de corresponsabilidade dos vários atores sociais. Por isto se manteve no governo. Se ele fosse realmente mais revolucionário a direita não permitiria nem um ano de governo do PT.
    Quanto as questões de corrupção: a lei do Gerson é outro complexo estruturado perpassando os estratos sociais.
    Por sua vez, eu entendo que teríamos que ter dois projetos paralelos e inter-relacionados. Um emergencial de apoio as grandes camadas pobres e outro de um desenvolvimento nacional segundo três pilares: potencialidades econômicas do país, necessidades estruturais do país e originalidade frente aos desafios da ecologia.
    Enfim, seria um projeto de Brasil desenvolvido sem miséria e muito singular em relação a outros países. A própria nação teria que ter consciência do que deve ser feito a curto médio e longo prazo.
    E aqui vem uma questão que me incomoda desde o Governo do FHC: os nosso meios de comunicação social são por demais conduzidos por um debate da direita e com muito pouco espaço para o pensamento critico divergente.
    E mais, vejo que há uma raiva social, mesmo do pobre contra o pobre.Pode ser que ela esteja se virando e acertando o alvo, Não o povo mas a condição de pobreza.Mas temo que tenhamos um retrocesso.Que grupo ou grupos substituirão todo o descrédito da classe política no condução administrativa/ Eu espero que “todos” nos curemos dos jeitinhos brasileiros e sejamos mais responsáveis conosco mesmos e a terra que Deus nos deu.
    Como Jesus em Jerusalém, se o povo estiver virando as mesas dos cambistas no templo da pátria que tenha a coragem do sacrifício de si mesmo assumindo a própria cruz!!!

    Curtir

    • Os comentários de Antônio José da Silveira e Roberta Arruda são – a meu ver – os mais lúcidos, sem fanatismos ou arrependimentos ingênuos. O PT certamente errou bastante, mas avançou bem mais que governos anteriores em termos sociais. E nossa imensa desigualdade social estrutural não vai ser resolvida por nenhum governante salvador, num ato de milagre. O que as manifestações estão – em sua maioria – reclamando é mais transparência, menos (ou nenhum) privilégio, financiamento público das campanhas, mais seriedade, etc. dos políticos, em suma, uma reforma política ampla e séria, e que” “todos” nos curemos dos jeitinhos brasileiros e sejamos mais responsáveis conosco mesmos e a terra que Deus nos deu”, como disse o Antônio José, pois somos todos co-responsáveis. Portanto, queremos mais participação política, maior controle da mídia, enfim, meios para se “modernizar” realmente o processo de cidadania no país, e consequentemente, elevar o nível cultural do povo.

      Curtir

      • Obrigado Maria Clara por ter me compreendido.De há muito percebo que se junto a melhor sociologia e o mais claro pensamento econômico não vier junto, uma autocritica “teórica e prática” ao nosso modo de gerenciar as coisas, não haverá nenhum amadurecimento dos diversos agentes, (independente de que patamar se ocupam) no sentido da responsabilidade social.

        Curtir

  31. Caro Leonardo, concordo plenamente que o problema da desigualdade e da concentração de renda continuem sendo o grande desafio para o Brasil. Entretanto não acredito de nenhuma forma que as manifestações em massa, de modo geral, tenham tido esse protesto em mente. Vejo a classe média reacionária que nunca acreditou no PT nem se identifica com ele, e no fundo tem é ódio pelo Lula e pela Dilma. Se o Brasil não está preparado nem para apoiar o pouco que o PT pôde fazer pelos pobres do país, fato, reconhecido internacionalmente, infelizmente está muito menos preparado para um governo que “tira dos ricos e da para os pobres”. Quem dera! Acredito na maior participação dos brasileiros na democracia sim, sem dúvida. Que todos se informem, que discutam, que acompanhem a trajetória de politicos, seus votos, e que se manifestem de maneira regular, isso sim tranformaria aos poucos o país. Quero o melhor para meu país, e por isso acredito em apoiar os melhores governos que já tivemos, pois não há melhor alternativa no momento, e dentro do governo PT, reivindicar mudanças pontuais. Dilma mostrou que sabe responder ao povo, ainda que a mensagem seja confusa.

    Curtir

  32. o grande problema no brasil é que a classe media se alia aos ricos ao invés dos pobres, contribuindo pra perpetuar uma desigualde que ela também é vitima.

    Curtir

  33. Um dos problemas chave, que o PT, ao invés de resolver, acentuou é a existência de um estado gigantesco e praticamente inútil para a população. O estado brasileiro perdeu a noção do seu propósito e, ao invés de servir a população, passou a servir-se da população, impondo uma carga tributária descomunal e injusta. Leia no link abaixo um artigo que compara a França, antes da revolução francesa, e o Brasil de hoje: http://noticias.r7.com/internacional/como-na-revolucao-francesa-brasileiros-lutam-para-acabar-com-os-privilegios-da-elite-politica-do-pais-14072013

    Curtir

  34. Excelente reflexão! Permita-me, no entanto, observar que o “povo” que saiu às ruas nada mais é que a classe média em sua maior parte. Não os vejo gritando contra as desigualdades. Ainda acho que o interesse por detrás de tanta disposição vem do incômodo com os ainda tímidos programas de transferência de renda. Bradar contra a corrupção é um escape de quem entende que paga muito imposto: “meu dinheiro não é capim!”, mas no fundo gostaria de dirigir esse brado para o Bolsa-Família. Para eles, é como se fossem meios (corrupção e BF) de igualmente subtrair a aplicação dos “seus” impostos em áreas de seu interesse, justamente as que mantêm a lógica secular da dominação.
    Outro ponto importante é que os governos do PT, à bem da verdade como os anteriores, ficaram embaraçados no sistema político, que os empurraram para alianças de governabilidade sustentadas em relações de moral duvidosas. Então urge que a reforma política venha!

    Curtir

  35. Belíssimas palavras Professor! Precisamos refletir sobre tudo isso. Senti falta apenas de mencionar o podre “IN” Judiciário.

    Curtir

  36. Se com a distribuição de renda desigual a classe média já esperneia, imagina se tirar da elite opulenta. Vão querer exterminar os pobres de vez. Haverá muito derramamento de sangue. Já vemos isso acontecer com os indígenas!
    Já esperneiam por causa das cotas. Não querem ver médicos trabalhando no SUS. Vivem repetindo que bandido bom é bandido morto. Deram um golpe com a ajuda dos EUA por causa da reforma agrária.
    Adoraria estar viva para ver o socialismo implantado no Brasil! Mas me cortaria o coração ver os pobres morrendo por conta disso. Não tenho a menor dúvida de que os pobres seriam as principais vítimas disso tudo, como já são mesmo com essa distribuição desigual.

    Curtir

  37. Concordo com a análise, muito clara e simples, mas tenho uma ressalva. Não chamaria de “equívocos conceptuais” quando as práticas políticas da ação governamental do PT refletem uma aceitação tácita das práticas da direita aninhada no poder há décadas e reforçadas no período da ditadura. O PT chegou ao poder pelo trabalho de uma militância ativa que queria mudar a cara do Brasil. Essa militância discutia questões conceptuais importantes. O Partido galgou todos os escalões do poder e está no cargo máximo da nação há quase três mandatos seguidos. O preço a pagar por isso foi mudar a imagem do PT, o discurso de Lula e substituir o trabalho da militância por investimentos em mídia empresarial. Com todo o respeito ao ex-presidente, o “Lulinha Paz e Amor” não foi só uma ironia de campanha eleitoral.
    Lula ganhou duas eleições por representar a esperança do resgate da dignidade do nosso povo, mas isso não aconteceu. As práticas que resultaram na morte de Celso Daniel e nos demais escândalos envolvendo dirigentes do PT não são somente fruto da mente fantasiosa dos “inimigos do PT”. Faltou transparência, faltou prestar contas de todos os milhões e de todos os centavos que o povo entregou na mão dos governantes para reverter em hospitais, escolas, comida, moradia e emprego.
    Os programas sociais, chamados de “distribuição de renda” são paliativos e representam uma parte ínfima do orçamento. Deu no que deu! O povo cansou de sofrer as consequências de alianças espúrias feitas pelo PT, em nome da “governabilidade”, para manter a sua fatia de poder. As negociatas de cargos e áreas de poder são nauseantes.A Presidente Dilma tem uma enorme responsabilidade pela frente, mas não a responsável pelo que está acontecendo. A responsabilidade maior ainda é a do PT, que insiste em não reconhecer que suas práticas não fizeram a diferença para o país. O crescimento econômico não foi milagre do PT, porque a conjuntura política e econômica internacional mudou a correlação de forças. Não foi só o Brasil que cresceu. Com PT ou sem PT, com variações de pouca monta, o Brasil cresceria. O PT poderia , e pode ainda, fazer a diferença, pois o Brasil tem fome e sede de dignidade.

    Curtir

  38. Ainda tem gente com esse papinho de direita, fascista. Duvido que tenha alguém mais de direita que o Lula. Ainda teve um infeliz que disse que no governo do FHC colocava combustível no pré-datado. Só pode estar brincando foi a época em que meu dinheiro sobrava mais e olha que eu ganhava menos e pagava faculdade. Até quando pessoas vão discutir sobre partidos, são todos vagabundos, tanto faz quem vai assumir o PT, PSDB ou outro. Quanta besteira dizer que se o PT perder a próxima eleição vai ficar pior. O pior cego é aquele que não quer enxergar. Essa semana li uma frase interessante, “que é mais fácil enganar alguém do que convencer que alguém foi enganado”. O PT foi a maior farsa da história do Brasil, afinal dos outros sabíamos o que esperar. O Lula, um cara se dizia do povo, a maior mentira que a nossa sociedade já teve e viveu. E mais, partido não é religião, se liga povo. Povo cego esses militantes do PT. Uma hora dessas, aquele alcoólatra do Lula, ser desprezível ta rindo da cara dos otários que defendem o PT como se fosse uma religião dona da verdade.
    Um texto tão bem escrito, elaborado e articulado como do Sr.Leonerdo Boff, deveria ter mais comentários a altura, e não esse tanto de bobagens, como discussãozinha de partido. Peço por gentileza que cada um aqui que falou em direita e esquerda, vá na casa de cada de pessoa que fala nessa baboseira nos dias de hoje e vejam como elas vivem, o que consomem, como educam seus filhos e depois voltem para discussão.

    Curtir

  39. Leonardo, reconheço suas premissas filosóficas e até justas. Mas, do ponto de vista prático como será feita essa “revolução”? Onde conseguiu esses números, 43% na mão de poucos ? Qual o seu plano para mudar isso ? Desenvolvimento se faz com conversa ou ações alicerçadas em recursos financeiros ? Se analisarmos friamente, países que tiveram desenvolvimento da forma que descreve, experimentaram guerras, destruição material e humanas, milhões morreram e, mesmo assim, um camada minoritária detém o poder financeiro e político. Vejamos, Alemanha, Japão, França e, em especial Estados Unidos como exemplo. Veja bem, não estou falando de crescimento e sim de desenvolvimento.
    Espero sua resposta prática, não filosófica. Não se esqueça que participou do governo do Lula. Foi ele então, mentiroso, mistificador, safo ou o que ? Porque você deixou o campo de batalha ? Não teve forças ou jogou a toalha ? Acha que só escrevendo vai mudar o que está ai ? Desculpe-me tantas perguntas, mas a meu modo de ver são pertinentes e sinceras. Saudações

    Curtir

  40. A sobrevivência do Planeta

    Tornou-se uma preocupação central e imediata. A situação atual exige medidas urgentes em todos os setores Cientifico, cultural, grana, político, pois vivemos o pior dos piores; devemos abraçar a causa comum do BEM contra este inimigo comum, a corrupção o qual faz parte da cultura da auto destruição.
    Todos seres humanos são parte inseparáveis da família HumanaTerráquea e dependemos uns dos outros para estarmos em PAZ. Cada um de nós somos a manifestação da vida e temos contribuição na vida na Mãe Terra e nossas ações é o que vai levar qualidade de vida a gerações futuras; Os seres nocivos, corruptos, são os atuais dirigentes do País; não, não é este o caminho, não este presente não nos levará a um futuros de paz. Pois o presente futuro é passado presente.
    Qual a conjuntura criada que nos leva a este momento. Nós humanos temos que decidir protegermos-construirmos ou continuarmos prejudicando destruindo a QUALIDADE DE VIDA NA TERRA. Nesse momento o agravamento das questões planetárias (XINGU VIVO), corrupção desenfreada nós estamos vivendo um momento vitao para o destino da humanidade e.
    Nosso destino interligado . Viver em Paz; um outro modo de sentir pensar a vida é necessário, pois as atuais condições de vida que encontramos é temerosa e difícil O belicismo é real tanto que sentimos agora nas manifestações , nos levando a violência O relacionamento entre amigos, irmãos que querem o bem está além dos partidos e das religiões. É importante o momento atual que vivenciamos, pois o mais importante é sentir que somos inter-relacionados, inter-dependentes não estamos separados, somos uno. E somos filhos de um mesmo país Brasil, de um mesma mãe Terra.Os armamentos usados para reprimir é só uma ponta do que pode vir a acontecer; a corrida armamentista dos poderosos corruptos é absurda leva a mais desestabilização e podendo se formos fundo no combate a corrupção levar-nos a piores conflitos. Não temos segurança como cidadãos a desmilitarização e o desarmamento dos poderosos corruptos é de suma importância; pois os problemas econômicos, ecológicos, o atraso o consumismo a pobreza estão fortes em nossa pátria.
    Como ser do bem e ver a nação brasileira ser comandada pelas piores espécies de seres humanos; infelizmente desde a menor cidade até a capital federal . E estão altamente militarizados armados. O Brasil ta bem armado, mas não amado; antes de agirmos concebemos um mundo que queremos; precisamos diferenciar algo bem terráqueo o bem o mal; verdadeiro falso, importante e fútil, guerra nas ruas ou paz, portanto construção de uma vida melhor mesmo. O que é ecológico o que é não; As questões de valores éticos esta profundamente ligada à realidade para um mundo melhor ; respeito a vida . E é triste deprimente vê um país lindo como o nosso ser o que é no momento uma grande potencia mas que pode causar sua própria destruição pela ignorância de acharmos que isto não vai ter conseqüência. Além dos Céus dos Nirvanas, Iluminação ou o que seja; precisamos ser do bem ser bom ser humano ser amigo ser união.

    Curtir

  41. Para que o Povo Brasileiro seja realmente o Protagonista do seu Destino, é necessário que essas pessoas Conscientizadas que protestaram nas ruas, protestem nas urnas, nas próximas eleições. Essas mesmas pessoas que estão Protestando nas ruas, elegeram e colocaram no Congresso Nacional, muitos políticos sem nenhuma condição de representa-las com dignidade! Vaiar a Presidenta Dilma ou promover um Impeachment não vai resolver coisa alguma. A Direita tá querendo recuperar seus privilégios e Benesses. Quero salientar que não há um partido sequer,
    que esteja isento de culpa, quanto a gestão do Bem Público. Por esta Razão e mil outras, sugiro que aguardemos as próximas eleições, para nos livrarmos das Ervas Daninhas.

    Curtir

  42. Legal este artigo, ele,na minha opinião ilustra a pauta que até o momento é apresentada a sociedade, pela própria sociedade “uma pauta da burguesia” em nenhum momento das grandes movimentações de rua, vimos, uma reivindicação que calhasse, no sentido da taxação das grandes fortunas, Penso que, para o financiamento de melhores escolas, melhor saúde, mais segurança, necessário se faz, o financiamento. Até agora, neste glorioso país, quem paga impostos é a classe trabalhadora e sem margem para sonegação, de outro parte, a burguesia, paga pouco imposto e sonega muito. Não é possível continuar assim, a classe trabalhadora financiando o estado e este estado, continuar a serviço do bel prazer da elite. Um estado concedente aos poderosos e um estado mesquinho aos financiadores dele. Não penso que um partido, um movimento, uma agremiação tenha condições de mudar esta página. De toda sorte entendo que o povo na rua tem condições de mudar o rumo e a trajetória do bonde. qualificar a pauta que é justa, é necessário, pois, do jeito que tá, quem vai ganhar o jogo será de novo a elite Brasileira e internacional. a pauta deve ser, financiamento do estado sim, mas, por parte das elites brasileiras e internacional.

    Curtir

  43. O governo do PT optou por se aliar ao que há de pior na sociedade, coronéis, latifundiários, banqueiros,tornando impossível qualquer política de distribuição de renda. Enquanto não houver um rompimento, ficamos sem perspectiva. As manifestações públicas tem um rico significado, que o governo não pode ignorar. Mais do que alguns atos governamentais, é necessário que haja uma ruptura com setores contrários às mudanças.

    Curtir

  44. Não adianta querer tapar o sol com a peneira. Não foi só por causa dos “rentistas” que o PT se prostituiu. Não houve erros conceituais. Estes são, ainda que camuflados, os verdadeiros conceitos deste partido. A busca pelo poder e suas benesses, a pretensa posse exclusiva da verdade, é algo intrínseco ao PT. A maneira como foi usado o poder mostra claro quem é essa gente. A distribuição de renda, por exemplo, foi muito bem feita, pelo menos entre os caciques do partido. Gostaria que o Boff tivesse a coragem de ter escrito este artigo e feito essa análise antes mesmo que nós fossemos pra rua. Antes tarde…

    Curtir

  45. concordo com o professor, pois acreditava-se que o PT fosse iniciar o desvencilhamento com a elite dominante, privilegiada e opulenta que a seculos usufrui das benefecies sem preocupaçoes, porem o que se ve é o aumento dos lucros de bancos e empresas….
    mais diga-se de passagem que muitos que estavam nas manifestaçoes e gritam contra o PT sao os que usufruem do sistema…

    Curtir

  46. É preciso encontrar governantes com muito peito para mexer com os afortunados. E sabe-se que quem mexer vai se deparar com uma senhora casa de marimbondos! Quem viver, verá. Essa turma do “venha a nós e ao vosso reino, nada” está em toda parte do planeta. Encontra-se embutida no grupo dos corruptores, fato que não foi levantado como bandeira de protesto nessas manifestações, como se só existisse o corrupto, quando se sabe que a existência de um pressupõe a do outro. Como diz meu irmão, o problema é o homem! Sua ambição pelo poder- qualquer que seja a sua natureza -, é descontrolada! E eu diria mais (levando para o mítico): é uma questão adâmica (pecado original)! O desejo de ter e ser mais que o outro. Embora eu veja a “desobediência” de Adão como a inteligência humana agindo, por meio da curiosidade, a descobrir suas potencialidades e, consequentemente, novos mundos.

    Curtir

  47. Boff está certíssimo nessas avaliações dos erros conceptuais do PT. Malgrado isso devido a sua alta cultura sociológica ele deve saber muito bem que, nas atuais circunstâncias do planeta não há governo, seja lá qual for, nem Obama, que possa fazer essas transformações sociais que ele aponta e que sabemos todos que deveriam ser feitas. Por exemplo : Redistribuição de renda, modificação do sistema tributário, reforma política e etc etc,etc. Não pode FHC pois pra governar renegou seu passado esquerdista e se aliou ao que havia de mais reacionário e direitista no seu tempo, o antigo PFL. Não pode Lula e não pode Dilma porque pra governarem precisaram se aliar ao PMDB e que tais e também fazer muitas concessões à direita, etc, etc, etc. Há uma carga de críticas ao Renan e esquecem que foi ministro da Justiça de FHC, tal como dos muitos que apoiaram Lula e hoje, dizem (dizem) apoiar Dilma, E dentro da estrutura e arcabouço político existente no Brasil não poderia ser diferente. Tenho presente que Boff sabe perfeitamente que só haveria duas possibilidades : A primeira, através de uma revolução, estou dizendo revolução, não golpe de estado. E isto é fora de qualquer cogitação nos dias de hoje. Não mais há uma potência planetária de contraponto político e ideológico para dar sustentação a coisa dese teor. E nem afirmo que o resultado de uma revolução fosse o mais conveniente. Não saberíamos qual o seu final para o bem ou para o mal. A segunda, dentro do chamado ambiente “democrático” que vivemos, através, digamos, de um plebiscito profundo, estou dizendo profundo, não meia boca como sugeriu Dilma. E note-se que mesmo meia boca, há uma guerra e uma grita generalizada contra tal proposta porque sabe a Casa Grande do perigo que isso teria de abalar e aí sim alterar e haver uma transformação modificadora das estruturas políticas e econômicas do poder vigente, tão salutar e benéfico à ela, Casa Grande. Não se teria uma revolução mas um abalo sísmico que reacomodaria nosso tecido social. Impensável também, salvo se os marchantes coxinhas que gritam nas ruas soubessem que pra de fato acontecer o que reivindicam, teria que se quebrar ovos pra fazer a omelete desejada, deixando claro quem pagaria a conta do quê. Então, assim, teremos que nos auto enganar com remendos cosméticos aqui a ali, pelo Congresso que está aí, fazendo de conta que alguma coisa precisa mudar pra tudo ficar como está, como dizia o conde de Lampeduza, durante a unificação italiana. Embora eu concorde plenamente com Boff, quanto ao diagnóstico dos erros políticos do PT, gostaria que esse filósofo e teólogo apontasse qual seria a receita para sanar as doenças diagnosticadas. E olha que a despeito de todas as mazelas petistas e seus arranjos com a Casa Grande, ainda assim, Lula governou um pouco mais pro lado da Senzala. Daí porque essa histeria em destruí-lo, o que não se faz com FHC embora no governo deste tenha havido muito mais mazelas corruptoras do que no daquele, incluindo nisso a PEC da reeleição em benefício próprio, ao custo de 200 mil reais pelos votos necessários a provação dessa PEC, mesmo que não tenham sido reveladas ou gritadas com a ânsia midiática de hoje, Imagina se Lula tivesse feito uma proposta dessa ao Congresso, o cara talvez nem mais estivesse vivo. Claro, FHC e seu tucanato governaram puxando muito mais pra Casa Grande. Ela sabe disso e portanto não iria permitir a destruição do seu ícone. Bem, chega, a gente poderia se estender muito numa análise mais profunda de tudo do que aqui expus. Seria cansativo, de pouco proveito e não mais tenho paciência e tampouco estofo intelectual para tais análises. Minha expressão é a expressão de simples cidadão, ainda que não idiota e tampouco um fundamentalista do pensamento político ideológico. Não me prestaria às sujeiras que transitam e se comentam nesta WEB. Teria noje de mim mesmo.

    Curtir

  48. A forma de poder tirar dos mais ricos e dar aos pobres, seria regularizar o imposto de renda, fazer com que de alguma forma, tivesse uma fiscalização verdadeira para que os ricos paguem mais e os pobres apenas uma porcentagem , 0,01% de acordo com seus rendimentos, e os ricos de acordo com seus empreendimentos.

    Curtir

  49. O governo do PT caiu na cilada dos aliados e agora se enterrou. Nossas esperanças de ver um mundo mais socialista já era.

    Curtir

  50. Eu concordo. Mas que eu ainda acho que rolou uma ação orquestrada por alguém que não nos quer bem com certeza rolou.

    Curtir

  51. Perfeita análise, Prof. Leonardo. Apesar de termos observado, às manifestações de junho, uma grande massa desorganizada politicamente, em que palavras de ordem inespecíficas eram gritadas, ficou evidente a crise de representatividade porque passa o Governo, sobretudo em matéria social.

    Apenas gostaria de ressaltar, como profissional de saúde comprometido com o nível primário de cuidado, que saúde não se constrói apenas com construção de hospitais. Não são mais leitos em UTI, ou mais vagas em enfermarias que irão, per se, resolver as grandes falhas que temos em nosso Sistema. Precisamos fortalecer a atenção primaria em saúde, como porta de entrada do cidadão no Sistema e nível de cuidado amplamente resolutivo, superar a lógica capitalista que permeia a formação e a produção de saúde (sobretudo através das Companhias Seguradoras e das Organizações Sociais de Saúde / Organizações da Sociedade Civil de Interesse Público) socializando os meios de formação, isto é, maior controle do número de vagas em universidades e residências profissionais segundo as necessidades de saúde, e dos meios de produção, aumentando serviços em administração direta, criando carreiras estatais para os profissionais (e não apenas os médicos) e extinguindo as Corporações que exploram a relação profissional-usuário para obter lucro.

    Sei que a imagem “Hospital” foi utilizada pelo senhor arquetipicamente como sinônimo de acesso e cobertura em saúde, contudo achei justo observar que inclusive neste ponto é fundamental o Estado superar tal compreensão, desconstruída desde Foucault, para promover uma lógica de cuidado descentralizada e comunitária, verdadeiramente efetiva e prevista em nossa Constituição.

    Curtir

  52. Tirar de quem tem demais e repassar para quem tem de menos…hum…e’ aquela afirmacao: …DEVESTIR UM SANTO E VESTIR OUTRO!

    Curtir

  53. Caro Gildo . certo que o PT no tinha e no tem proposta revolucionria. Eis aqui o n grdio que este governo no consegue e no se props a desamarrar, muito menos desatar aos pouquinhos. Aquele abrao, Fernando

    Curtir

  54. Caro Frei, vendo os números comentados, imagine uma melhor distribuição de renda, somada a mais de R$ 80 bi de estimativa da corrupção no Pais na era PT???? Seria um sonho né ???

    Curtir

    • Na era PSDB a corrupção era de 100 bilhões de reais. O Ministério Público engavetava tudo e a Polícia Federal, cujo efetivo era menos da metade de hoje, e cuja salário era um terço do de hoje também não podia investigar

      Curtir

  55. Que balela. O PT nunca foi interessado em distribuição de renda. A não ser que esteja falando de distribuir o butim de suas roubalheiras entre seus membros, só se for.
    Esses movimentos têm raiz no nojo que a população está tendo em relação à classe política deste país, PT à frente. A única coisa que queremos é que o PT caia fora, suma, escafeda-se para nunca mais voltar. Bando de salafrários.
    Votei em Lula todas as vezes em que ele se candidatou, acreditava nesse discurso idiota de que o PT era obrigado a se corromper em prol da tal “governabilidade”. Mas depois de 11 anos sem investimento em saúde (que isso tem a ver com “governabilidade”?), 11 anos com a educação à míngua (idem), cansei. Quero essa turma de mentirosos enganadores fora, bem longe do dinheiro dos impostos que pago. Ponto final.

    Curtir

  56. Tudo o que disse o Frei Leonardo, é o que o povo sente e não aguenta mais essa situação de desigualdade social , onde se vê morrerem crianças, adultos e velhos por falta de atendimento humanitário, e com a pouca merreca que o governo da com estas ditas “Bolsas” de nada adianta para a sociedade e isto é mais para votos de cabresto do que para auxílio de pobreza. O povo quer limpeza total desses corruptos do poder!

    Curtir

  57. Repensar a natalidade através da educação.Menos gente já haverá uma melhor distribuição, onde nós como cidadão conseguimos fazer algo.

    Curtir

  58. Caro Leonardo, fico feliz de ver que existem cabeças pensantes, ponderadas e inteligentes neste país como você. Espero que sigas escrevendo, precisamos de suas reflexões. Ainda mais que elas desencadeiam esta série de opiniões, quase um debate. Se pode ver que alguns levam as coisas estritamente ao pé da letra, outros (cada um a sua maneira) veem as entrelinhas e outros só veem parte das linhas escritas.

    Curtir

  59. Acompanhando os equívocos sócio-econômicos, recebeeram ênfase os políticos, entre os quais o de governar sem as massas durante esses 15 anos, mais do que isso, cooptando suas organizações e lideranças de si alienadas a partir de projetos-passa-dinheiro para esses líderes. Tanto quanto os partidos, todas as organizações sociais apodreceram. nada falemos dos sindicatos…

    Curtir

  60. Querido Leonardo Boff, Fico feliz quando escreve: “as multidões da rua estão reclamando…as ruas estão gritando por um Brasil…..” esta é a tal da nova era – chegou! O senhor entende isso e não coloca que é somente um grito histérico da classe média, despolitizada, burguesa, fascista, ideologicamente analfabeta, aberração sociológica e politicamente incorreta e que não entende nada que está fazendo este movimento…..é o grito do povo que continuou excluído neste governo!

    Curtir

  61. Apesar das críticas justas ao PT e ao seu neoliberalismo, apesar das propostas sociais avançadas, Leonardo Boff esqueceu da ecologia, da defesa dos animais, das plantas e do Planeta. Ainda enfatiza a busca de um humanismo, esquecendo que este humanismo, que erigiu o homem como centro do Planeta e o retirou da natureza, é a causa de nosso desrespeito total por outros seres, que não nós mesmos.

    Curtir

    • Raimundo
      A minha produção dos ultimos anos vai toda na direção da ecologia,começando com o livro mais completo:Ecologia: grito da Terra grito dos pobres até o último: Proteger a Terra e cuidar da vida: como escapar do fim do mundo, Record 2012.
      Veja nesse blog muitos artigos meus sobre distintos temas de ecologia.
      lboff

      Curtir

      • Tenho visto sua reflexão sobre ecologia, por isto me pareceu estranho a não inclusão no texto. E leio como um velho costume a insistência no humanismo. Nas mobilizações atuais, muitas vezes, falta uma consciência mais ampla. Por exemplo, aqui em Fortaleza fizeram uma mobilização contra a construção de um Aquário, que acredito pertinente por causa do alto custo e do benefício pouco, com o slogan: “Quisera ser um peixe”, como a reclamar o tratamento vip que dariam ao peixe e que faltava aos homens. Também fizeram uma manifestação, pertinente, contra os gastos com a Copa do Mundo, mas também com um slogan equivocado, Mais Pão, Menos Circo, como se o circo não fosse uma necessidade básica de todos. Penso que ainda insistimos em uma mentalidade iluminista e humanista, característica da modernidade, quando estamos vivendo a degradação da mesma e a possível emergência de um novo processo civilizatório, em que o humano esteja a serviço do Planeta, e não o Planeta a serviço dos homens, que reponha Deus na natureza, para que todos hajam com respeito a ela, para que o homem volte a ser natureza, assim como seus fazeres, para que nossa tarefa seja, como a dos demais seres, a de renovar a natureza e não dela se servir.
        Com todo meu respeito.
        Oswald Barroso

        Curtir

      • Pobreza e falta de educação geram poluição isso é fato, jogar lixo onde não deve, esgoto, crescimento desordenado das cidades. O Brasil é um país abisal de impostos onde o mais miserável paga o mesmo de imposto que o mais milionário num copo de água.

        Curtir

  62. Sabe Frei, lendo e refletindo sobre as manifestações do GRITO DO POVO nas ruas, sinto que o poder que aí está, os partidos políticos fazendo parte desse poder, perderam cada um sua IDEOLOGIA fazendo alianças sustentadas por negociatas, e, entrou num marasmo do FAZ DE CONTA governar….fica aquela clareza de que esse congresso e o governo que ai está, estão só tirando proveito próprio abandonando os projetos que cada partido fez ao se apresentar p/ o pleito. A mim parece estarmos em estado de EXCEÇÃO, não se respeita o POVO… a DISTRIBUIÇÃO de renda é a população que faz ao pagar seus impostos e muito altos, que pela nossa constituição deve retornar em investimentos p/ EDUCAÇÃO, SAÚDE, SEGURANÇA…beneficiando o POVO. O poder que aí está NÃO VÊ, NÃO SABE, NÃO FAZ, infelizmente.

    Curtir

  63. Como é nobre esse poder de resumir toda uma situação em um belo texto! Como é genial provocar uma reflexão em nós brasileiros. Sou, com todo respeito, fascinada por sua pessoa, és pra mim um exemplo de vida! Como gostaria de um dia conhece-lo!!

    Curtir

  64. Lamento, mestre Boff, mas aqueles que poderiam dizer ““recusamos ser apenas animais famintos que gritam por pão; somos humanos, portadores de espírito e de cordialidade que gritamos por beleza; só unindo pão com beleza viveremos em paz, sem violência, com humor e sentido lúdico e encantado da vida” não estavam lá nas ruas. A impressão que tive das ruas é de que quem foi às ruas, não sabia bem porque estava lá. Os trabalhadores estavam em outro lugar. As donas de casa também. Gostaria de ter essa imagem idílica do movimento. Mas, creia, em breve ficará claro que o objetivo foi eleitoral. Ou um país piora tanto assim em 2 meses?

    Curtir

  65. Não sei porque o senhor está ajudando a desconstruir o PT. Não vejo nenhuma necessidade disso num momento que as conquistas estão em risco. Ou será que o neoliberalismo oferece algo melhor? As manifestações não foram essa indignação pura que o senhor mostra. Foi muita grita de raiva, mas estimulada por uma mídia e uma direita que concentra fogo em demonizar a politica. Em mostrar que é tudo igual. E conseguiu. E parece que até as pessoas mais lúcidas estão entrando no mesmo discurso. Lamento, frei Boff, mas o senhor não precisava jogar o PT na lata de lixo da história.

    Curtir

  66. Não acredito que as palavras do Sr. Boff sejam para explicar culpas e julgar culpados.
    Percebo que é simplesmente uma identificação dos fatos segundo um ponto de vista extra filosofal, onde a realidade acaba sendo exatamente o que se espera dela… escancarada.

    Curtir

  67. Por que o PT errou? Eu acho que o PT errou quando ele quis ser poder a despeito dos valores básicos da ética. Aliando-se a pessoas e grupos que nada somam – a não serem votos – e deixando entrar “gatos e cachorros” em seus quadros, o Partido dos Trabalhadores foi, pouco a pouco, deixando de ser dos trabalhadores. Em síntese, voltou-se de costas ao seu estatuto. Hoje, pra mim, o PT é apenas mais uma legenda. E, como agravante, tem ajudado a sacramentar, através dessa “política da governabilidade”, uma maneira nociva de se fazer política. E, como já dizia o bom churrasqueiro, ninguém mexe com carvão sem sujar as mãos. Abço

    Curtir

  68. Também acho uma aberração e uma excrecência que 5 mil famílias (em um universo de 200 milhões de habitantes) detenham quase metade da renda. O problema é que nenhum governo que eu tenha ouvido falar conseguiu equacionar plenamente distribuição de renda sem cair nas mazelas do totalitarismo (vide sistemas socialistas fracassados) e cerceamento das liberdades individuais.

    Curtir

  69. Ai vai um complemento ao meu comentário:

    Sinceramente, gosto muito dos artigos do Boff, porém acredito que seguem a mesma linha da postura adotada pela Sra. Marina Silva. Ou seja, são muito belos os argumentos, porém não há diretrizes pragmáticas em como se atingir os elevados fins propostos. Os regimes socialistas fracassaram, e os Estados que mais apresentam justiça social (Noruega, Canadá, etc…) são capitalismos “temperados” por uma dose de social democracia para evitar os excessos do “darwinismo”. Porém esses Estados que citei mostram uma nítida lição: o caminho é sem dúvida a educação de qualidade para todos (para formar seres pensantes e críticos), a transparência, honestidade e eficiência da máquina pública, e a credibilidade dos governantes e legisladores. Outras medidas também importantes: um sistema de imposto justo taxando as grandes heranças e grandes fortunas (e não taxando os produtos, em que os pobres acabam pagando proporcionalmente mais) e relações trabalhistas que mantenham a seguridade e conquistas dos trabalhadores, mas sem engessar tanto as relações empregador-empregado (esse engessamento é um dos pilares da ruína da indústria brasileira). Enfim, enumerei apenas algumas medidas que acho relevantes.
    Ai vai uma crítica construtiva tanto ao Sr. Boff quanto à Sra. Marina: passar da filosofia para a pragmática.

    Curtir

  70. A abordagem é excelente mas acho que carece de alguns aspectos. A hierarquia de valores imposta pelo controle da educação judaico/cristã, reforçada pela cultura expandida pela mídia oligárquica ,que estabelecem o truísmo como elemento básico, dividindo e fragmentando as relações intersociais, produzindo seres dentro de uma única ideologia: a burguesa, portanto, TODOS SOMOS BURGUESES. A impossibilidade de acesso e o desinteresse por informações essenciais sobre o funcionamento do poder, a falta de entendimento e a chance de alguma consciência como seus subprodutos, resultando na ausência de apoio popular e massivo para alguma proposta de governança com um enfrentamento real do status quo histórico, mesmo que represente perdas substanciais no curto prazo. Visões maniqueístas, diversionistas, reducionistas e tendenciosas que colaboram para a perpetuação do que está posto, e isso nota-se aqui mesmo, na maioria dos comentários. A necessidade da formação de comunidades intelectualizadas e descomprometidas com a minoria dominante. Identificar que o controle social/economico/político é feito à partir do poder privado de uma minoria que não permite a qualquer governança expandir eventuais projetos que não sejam alinhados com esses
    interesses. As ruas evidenciaram o quanto a classe trabalhadora continua alienada aos editoriais midiáticos e suas pautas. Comparar Capitalismo que é uma prática material humana e o socialismo que representa uma referência conceitual não cabe. O Pt, basicamente seguiu a cartilha única do poder, distribuindo migalhas para os miseráveis.

    Curtir

  71. Meu querido Boff. Perdoe minha audácia de constestá-lo mas Paulo Freire e L. Boff me fizeram acreditar que devemos ter autonomia de análise. Moro na periferia de uma cidade da Baixada Fluminense. E o aumento das passagens praticamente não preocupou meus vizinhos. Procurei sabe porque e vi que os trabalhadores estão protegidos dos efeitos do aumento das passagens pelo Vale Transporte e os idosos e estudantes tem gratuidades. A maioria dos meus vizinhos não portaram e não portariam os cartazes com “mais saúde” ou “mais educação” porque hoje eles recebem serviços bem melhores do que antes. Acho que o senhor acabou repercutindo as frustrações de quem não quer abrir mão de privilégios ou atenção prioritária do governo. O povo lascado que ainda precisa de atenção prioritária do governo está feliz pelo fato de que vê um esforço governamental de melhorar sua vida. Mas pode embarcar em canoa furada se nós alimentarmos a grita geral contra quem está fazendo mudanças.
    Entendo que quem está no governo e quer transformar a realidade tem que se confrontar com 4 etapas:
    1) A intenção – são os chamados desejos e sonhos de transformação, é a visão do estado de realidade que ser quer alcançar.
    2) O projeto – é a elaboração de programas e politicas públicas que vão planejar caminhos e ações a serem tomados
    3) As ações – é a implementação efetiva do projeto, mas com base nos recursos humanos e materiais e tecnologias disponibilizados em dado momento e local.
    4) Os resultados – é a mudança concreta da realidade após as ações, sejam elas percebidas ou não pelos atingidos.
    Acho, frei Boff, que suas propostas não levaram em conta a complexa conjunção de fatores que emperram as boas intenções. Nesse sentido, criticar o governo pode ser bom, mas não desqualifica-lo para que as esperanças renasçam em outras tendências mais neoliberais e conservadoras que a gente já sabe onde vai dar. Pelos comentários anteriores, verifiquei que seu texto contribuiu para um linchamento injusto e ineficaz para a construção de um país melhor e mais solidário.

    Curtir

  72. Senhor Leonardo, ideologia é coisa que não podemos ter nesse momento no país. Aliás , nossa revolução está mostrando isso e pintando nosso país de verde-amarelo ao mesmo tempo em que desbotam-se as cores escarlates. Nós não admiramos Cuba nem Venezuela, muito menos o século perdido pela “União (falsa) Soviética ” . Você é refém dessa ideologia e por isso sua análise torna-se completamente tendenciosa ao socialismo. Não se equivoque ou influencie seus seguidores colocando uma interpretação própria de como devemos distribuir nossa “riqueza”. Ora, para conquistarmos todos os benefícios sociais precisamos de dinheiro não especulativo e decorrente do produto do trabalho. Desde quando “estradas, hidrelétricas, portos, aeroportos, incentivos fiscais, empréstimos com juros irrisórios do BNDES” é condenável? São justamente essas INFRAESTRUTURAS é que podem gerar EMPREGOS e benefícios para nossos 200 milhões de brasileiros e com muito trabalho a fazer. Por outo lado condenáveis são os gastos com o “mensalão-que não findou ainda” e com estádios de futebol e bolsas-miséria eleitoreiras . Um estado concentrador e distribuidor do produto de um país já NÃO foi aprovado pelo mundo em todas as suas tentativas improdutivas de se implementar. Antes , pelo contrário , é na iniciativa privada que está a chave da saída de um país da miséria. Avante meu querido Brasil, sem ideologias retrógradas, sem corrupção política e com sua juventude empreendedora para construir uma grande e respeitável nação com um novo modelo de democracia genuinamente brasileira e com o nosso carimbo de ORDEM E PROGRESSO.

    Curtir

  73. Não li todos os posts desse debate porém quero deixar aqui o que tenho como conclusão sobre o momento atual, até o momento: o PT nos deve as promessas não cumpridas desde a eleição de Lula, que resumo em dois temas: transformações sociais concretas (redistribuição de renda e prioridade para os serviços sociais – educação, saúde, trabalho e renda); e avançar na democratização do país. Caso não tenha coragem para dar o salto desprendido das amarras coligadas, caso permaneça preso aos quantificadores eleitoreiros e da governabilidade no Congresso (erro estratégico que resultou no estágio em que nos encontramos hoje), estaremos numa situação de risco de retrocessos, considerando o poder do dinheiro, das forças conservadoras e neoliberais.
    Atendida em seus anseios, a população saberá reconhecer o que quer daí pra frente.
    Seria transformar o desencanto geral em renovação das esperanças.

    Curtir

  74. Uma boa reflexão…apenas um porém: o povo excluído e marginalizado pelos detentores do poder teve uma participação muito pequena nesse processo. Acho que quem mais expressava a sua indignação era a classe média que dizia ter acordado recentemente, bem representada em seus cartazes desqualificando os excluídos e filhos da pobreza com dizeres como “Somos nós quem sustentamos os vagabundos da bolsa esmola”, “intervenção militar já!”, “Médicos de luto”, “Dilma, fora Renan!” etc…

    Curtir

  75. Texto professoral, diáfano e apologista de generalidades. O PT cercou-se de maus, perdeu suas diretrizes “do, para e pelo” povo e entrou no mais baixo dos denominadores comuns, dos politiqueiros, , capitalistas, nepotistas, descuidistas e outros “ istas” de conotações chulas. Esse partido, malgrado os ideais iniciais, se descontruiu, e esse são os fatos percebidos ate por Zé Povinho como eu – e não inanas e pomposas palavras. Aí esta a rebelião do povo: Nojo do que vimos e vemos. Não estamos interessados em sexologia de anjos, tampouco em logica aristotélica. Sem palavreados leves e rebuscadas, essa é a minha visão,

    Curtir

  76. Sou seu admirador e lamento não esteja no 1º Escalão da Administração Federal pois talvez a taxação de grandes fortunas fosse realidade com melhor distribuição de rendas
    e não excluir de aumentos reais os proventos de aposentadoria acima de 1 salário (nivelamento por baixo).Me aposentei com 10 MSM e hoje recebo somente 4 MSM.Mais uns 4,5 anos e será apenas 1 salário para quem contribuiu sôbre o teto da previdência.

    Curtir

  77. O pior criminoso é o policial que protege os bandidos em troca de uma remuneração sórdida e desprotege a sociedade; o pior político é aquele que após ser colocado pelo povo no poder, se esquece dele e protege um grupo de interesses próprios e que dele recebe uma remuneração sórdida e desprotege a sociedade. Agora, o que falar dos comandos intelectuais dos partidos que o apoiam e não reconhecem taxativamente quando o partido não traz o sangue novo que se pretendia e que coloca a sociedade num perigo constante em razão das mentiras também constantes sobre as cabeças impensantes da maioria? O subterfúgio tem que ser substituído pelo protesto claro, assim como há que ficar clara a desistência do intelectual pelo filhote de sangue velho. Se isso não acontecer, já sabemos o que falar dos comandos intelectuais: são iguais às duas primeiras categorias…não podemos dizer, porém, que recebem remuneração sórdida também, mas, fatalmente desprotegem a sociedade igualmente, pois, anuviam pensamentos da maioria impensante e faz o circulo vicioso tomar força…Que os intelectuais políticos pensem nisso e não deixem que seu poder de pensamento fortaleça ou dê manutenção a uma situação em que a sociedade esteja sendo altamente prejudicada. É hora de serem humildes e reconhecerem que erraram dando apoio a quem hoje não mais merecem aval da lucidez de seus pensamentos.

    Curtir

  78. Caro Leonardo, sempre te admirei por pensar além do comum e por defender a liberdade, coisa que devemos ter não só na carne como na mente.
    Já vi uma entrevista sua felicitando Lula e o PT pela distribuicao de renda e alimentos às famílias necessitadas e digo, fiquei triste. Que bom que você acordou. Não sei quando… mas acordou.
    Era mais uma artimanha politica para deixar o povo oprimido… com pão, mas oprimido, Carente e desnutrido de inteligencia, de capacidade critica e de pensamento…
    Com pão, mas sem educação. Que sempre foi a forma deles (politicos corruptos) permanecerem no poder, roubando, matando sem pegar em armas, mas matando…
    O poder só corrompe, por isso é mais difícil um rico (e podereso) entrar no reino dos céus… Mas não está escrito que é impossível…
    A esperança está no ar… dessa geração que chega, mais consciente aparecerão levas de novos politicos… que tenham carater forte, incorruptiveis, pois a certeza do caminho reto está dentro deles, é forte como uma rocha e nada poderá tirá-los do caminho, pois não existe involução da obra do Criador.
    Eles tem a capacidade para fazer o que deve ser feito, sabendo que não se pode agradar a todos (nem Jesus o fez). Seu legao será a longo prazo. O Mestre o fez a mais de 2000 anos atrás e em breve Ele verá os frutos desabrocharem por completo. Ele não tem pressa. As muadanças ocorrerão, fique certo. Provavelmnete não estaremos neste corpo para presenciá-las, mas serão feitas.
    Pelo que acredito estaremos novamente aqui, em outro corpo para ajudar nessa bela transformação que o Brasil irá liderar, pois é seu destino… Baseada no amor, na igualdade e na fraternidade… e na liberdade de crenças, culto, trabalho, escolhas…
    Ela será dirigida pelo alto e mas executada por nós, aqui na Terra.
    Lindo texto.
    Abraços e luz.

    Curtir

  79. Um texto lúcido e mais profundo que a média consegue digerir. Aborda quão grandes e desafiantes são os problemas enfrentados e a dificuldade de estabelecer novos rumos. Não vejo como ignorar o fato de que não é a sociedade que tem problemas, são seguimentos da sociedade que os têm, porque para outra parte o que há é solução: o problema de alguns é exatamente o efeito do mecanismo de solução (dominação) de outra parte. E o Estado é utilizado como ferramenta de afirmação desse mecanismo. Sabemos das dificuldades e de se obter resultados práticos e que uma guinada cultural, social, econômica e política da envergadura da que se necessita é pouco provável que nossa classe política conseguirá realizar. De todo modo, o PT, salvo seus próprios vilões, ainda parece ser o que teria melhores condições de realizar, pela força, pela história e por algum conteúdo intelectual que ainda detém. Resta saber se efetivamente o conseguirá e se está disposto a comprar a briga e pagar o preço. A construção de séculos não ruirá em uma década.

    Curtir

  80. Compartilhei este texto com meus amigos de todas as redes sociais e, principalmente com meus familiares que compartilham suas idéias. Obrigada por dizer com tanta franqueza e sabedoria o que todos nós queremos dizer e fazer. Cristina

    Curtir

  81. A presidente não faz nada sozinha e nada ou quase nada se pode fazer sem uma profunda reforma política para mudar o perfil do congresso brasileiro..
    E isso significa necessariamente a realização de um plebiscito.

    Curtir

    • Sim, um presidente pode fazer muito. Especialmente com uma grande base aliada no Congresso e no Senado, que o que mais fez foi chancelar as Medidas Provisórias do Executivo.
      Vou dar uma idéia: incentivo ao empreendedorismo e destinação de uma parcela maior da receita para a Educação. Pague melhor os professores e distribua “voucher educação”. Que cada pai escolha a melhor escola para seu filho, seja escola pública ou escola privada.
      Menos Governo, mais Brasil.

      Curtir

  82. Caro Prof. Dr. Boff. Apesar de admirar sua capacidade intelectual não posso deixar de postar minha humilde opinião sobre os tais equívocos conceptuais. Até porquê o Sr. Inicia o texto fazendo uma defesa do PT. Na minha opinião, o erro maior foi ter acreditado que o PT poderia ser, como queria antes de eleito, o baluarte da ética na política e o grande salvador da pátria. Aquêle que se mostrava o ferrenho defensor da distribuição de renda de antes revelou-se como o maior sócio das maiores falcatruas e negociatas nunca antes vistas na história deste país, haja vista a merreca que se distribui em forma de “bolsas”, que na verdade são objetos de troca por votos. O PT é o maior beneficiário do lucro das empreiteiras e dos bancos, tanto é que temos visto na imprensa figuras expoentes do partido fazendo o papel de lobystas em defesa de grandes empreiteiras e não vejo necessidade de citar nomes uma vez que é do conhecimento público.
    Qanto aos bancos, nunca ganharam tanto dinheiro como ganham agora, financiando um déficit público que se agigantou nos últimos 10 anos por conta do inchaço, sucateamento e endividamento da máquina pública.
    Acho que a inversão de prioridades é o grande problema deste partido. E digo isso sem defender qualquer outro.

    Curtir

  83. Acho equivocado o Boff esperar que se possa criar mais igualdade e desenvolvimento humano sem desenvolver também economicamente o país. Em todos os países com bom índice de desenvolvimento humano, este veio a reboque do desenvolvimento econômico. Também é equivocado achar que o governo vai poder mexer na estrutura de concentração da renda assim, na maior facilidade, com base só na pura vontade. Dependeria de imenso apoio popular, mais que de índices de popularidade que variam a cada passeata ou denúncia. Dependeria de apoio e pressão de cada instituição séria da sociedade civil. Não tome como crítica daninha, examine o que digo e veja se não corresponde à realidade. Forte abraço e obrigado por sua lucidez!

    Curtir

  84. Excelente artigo. Toca no cerne do problema. Parece-me que ao longo do tempo não só o PT mas de uma maneira geral toda a esquerda começou a se acomodar ao poder e a esquecer os conteúdos programáticos que a norteia. A quantidade de juros que o governo paga ao sistema bancário e aos especuladores é escandalosa. A dívida pública cresce assustadoramente. Aproveitando as fragilidades e as indecisões do governo a direita se mobiliza para voltar ao poder, canalizando as insatisfações populares e aproveitando para disseminar suas idéias fascistas na população. O governo parece atordoado, sem saber muito bem o que fazer, confiante que estava nos altos índices de popularidade da presidente e de aprovação ao seu governo. Temo pelo pior e que os poucos avanços dos últimos anos sejam rapidamente revertidos em um possivel governo de direita, Pior ainda seria um governo de extrema-direita. As consequências seriam trágicas para o país. Penso ser urgente encontrar respostas eficazes aos clamores das ruas e retirar dos golpistas a liderança das ações. Um retrocesso brasileiro seria prejudicial para toda a América Latina, talvez até abrindo as portas a um novo ciclo de ditaduras no continente.

    Curtir

    • Pois é o enfraquecimento do estado começou no final dos anos oitenta pelas iniciativas neoliberais e e consuma no total descrédito da classe política independente de ideologias partidárias. Logo perguntamos: Quem conduziria um processo político mais plausível as demandas populares? Se o próprio povo não fizer uma reflexão autocritica deste movimento e se os que ainda estão nos governos estaduais e federais e o parlamento ao menos não agirem a tempo, realmente teremos um retrocesso político para uma direita que Deus nos livre. Neste momento a meu ver, o papel dos intelectuais junto ao povo e na mídia refletindo e separando o joio do trigo nisto tudo, toma suma importância. Se um povo há um século narcotizado por futebol e carnaval, decidiu gritar que saúde e educação são mais importantes na vida social estamos já vivendo um avanço na reavaliação dos valores sociais. Eu gostaria muito que a Dilma se fortalecesse e fizesse a virada integrando uma distribuição de riquezas a uma processo novo de desenvolvimento, em base popular e ecológica superando a miséria. . Seria a contribuição do Brasil para o mundo: gerir uma nova forma de “eco-nomia” mais humana e realista com as demandas atuais da vida.

      Curtir

  85. O objetivo é correto. Não tenho dúvidas!
    Mas, na minha humilde opinião, caríssimo Leonardo Boff, os maiores problema são os séculos de abandono, e principalmente, o “currículo” de nosso bendito povo brasileiro!

    Parece até que o excesso de tributos criou um senso comum, onde nossa ilustre sociedade, de classe média, são clientes “VIPs” dos serviços governamentais. Quando o sr. comenta que é necessária “uma democracia onde o povo é chamado a discutir e a decidir junto com seus representantes o que é melhor para o país”, me dá vontade de chorar. Verdade! Pois, o que mais se ouve pelas ruas (pelo menos antes dessa “marola” de manifestações, foram reclamações sobre o “grande sacrifício” de ir às urnas e, que no Brasil, o voto deveria ser facultativo, como nas terras de nossos irmãos norte-americanos… Oh, my God!

    Certamente as coisas não estão acontecendo conforme sonhamos (se é que todos sonharão o mesmo sonho), mas também não quer dizer que estamos no caminho errado! Isso aqui chama-se democracia! E o senhor esquece de citar que, numa democracia, o povo é quem têm o poder. Mas, onde está o povo para assumir o poder?

    O que incomoda é ler textos como esse, que tangenciam a vívida clareza do pensamento, a isenção de interesses escusos, porém, beirando o pessimismo, o derrotismo, o apocalipse… Pedindo pra descer do bonde, só para ficar parado no tempo! O que é isso? Depois de séculos de escravidão e abandono, finalmente vivemos as tão esperadas mudanças, o grande progresso, a escalada ao país do futuro! Transição essa, que não vai demorar mais do que a participação popular permitirá.

    Curtir

  86. Parabéns a essa pessoa fantastica que é o Leonardo Boff, e, que eu sempre admirei.
    Foi a analise mais coerente que li ate agora. Me permita uma carona nessa amalise, o que se vê hoje diante desse quadro de manifestações é lei de causa e efeito se pondo em prática.

    Curtir

  87. Excelente o artigo do Frei Leonardo Boff. Gostaria de contribuir com uma análise de questões que estão passando a margem da discussão. A Primavera Árabe varreu algumas ditaduras e ainda sacode alguns países do Oriente Médio e o Norte da África. O brasil já fez este dever de casa com a Abertura Democrática que culminou com a Campanha Diretas Já, em 1984. Nos países da Zona do Euro o problema é a crise internacional que irá se agravar em 2014. Atualmente o desemprego atingi aproximadamente 40% dos jovens europeus, que mais sofrem com a atual crise. As políticas ortodoxas de aumento de juros, diminuição do gasto público e do investimento em infraestrutura, receitas aviadas pelo FMI e pelo Banco Mundial que bem conhecemos, somente aprofundam a crise. Em 2003 o Brasil abandonou esta política econômica ortodoxa e a promessa de emprego e renda foi concretizada. O salário minimo prometido de U$ 70 dólares, em 2002,hoje está em mais de U$ 300 dólares.O governo cortou os juros, diminui impostos, investiu em infraestrutura, distribui renda, investiu em educação, em saúde e em vários setores. Enquanto a crise internacional não dá folga lá fora, aqui estamos caminhando a passos lentos, mais com pisada firme e consistente. Leonardo Boff está corretíssimo! Precisamos caminhar com a convicção de que muito se tem feito para colocar este país nos trilhos. Infelizmente as Empreiteiras são as mesmas de sempre, os políticos com as mesmas convicções se dividem em vários partidos para enganar o eleitor, o Judiciário…, Os comentários dos leitores parte da premissa de que estamos vivendo a crise econômica da Zona do Euro ou a ditadura árabe. Conquistamos muito nestes anos e não temos que mostrar isto com números. É preciso aprofundar a discussão sobre a dependência financeira, a desnacionalização das empresas brasileiras, a reforma política, a reforma tributária. Votar no Lula e na Dilma foi fácil. Enquanto mais 100 bancos faliam nos Estados Unidos a “marolinha” chegou a assustar no Brasil. Eles não decepcionaram! Encaram a crise internacional com uma desenvoltura elogiada no mundo inteiro.Mais a nossa difícil tarefa é encarar esta direita (com crise de identidade), raivosa, xenófoba, preconceituosa, egoísta. Vamos a luta!

    Curtir

  88. É uma reflexão interessante, especialmente por colocar na mesa aquilo que todos os que estão indignados falam há tempos. Que o governo atual continua fazendo o que sempre se fez: corrupção. Só não entendo porque continuar achando que são os grupos dito “da elite dominante” que dominaram o poder. O governo aumentou a máquina administrativa porque quis. Aumentou impostos porque precisou pagar as contas. Incentivou compra de carros porque quis. Sofre o problema da mobilidade urbana porque priorizou o transporte individual. Ao invés de promover a poupança da população, promoveu a gastança, com prestações a perder de vista. Ao invés de promover a evolução cultural, promoveu a evolução consumista. Aliás, acho que este governo tem um viés capitalista extremamente forte. Muitos falam da Globo, que isto, que aquilo. Mas consta em um destes levantamentos que o governo gastou quase R$ 500 mi em 2012 em propaganda, só na Rede Globo. Isto representa 43% dos gastos. Tomara que os muitos intelectuais governistas passem a criticar, construtivamente, o governo. E parem de achar que a culpa é externa ao governo. Um governo há 12 anos no poder, com maioria gigante no congresso, que aumentou o PIB e a dívida bruta na mesma proporção, não pode achar que os problemas são externos. E, ainda, comecem a avaliar como realmente o Brasil chegou nos patamares atuais e como o governo esqueceu os pilares da estabilidade (controle da inflação, controle de gastos público e câmbio flutuante). Estes pilares estão sendo destruídos e corremos o risco de voltar aos patamares de antes do Plano Real.

    Curtir

  89. Meu Deus, como esse blog é popular… Parabéns, Dr. Boff!
    Vamos lá: em 2002 o PT fez um vídeo retratando ratos que roíam a bandeira do Brasil, em uma metáfora dos corruptos que drenam os recursos do País. Pois bem, nos últimos dez anos em que esteve à frente da União, gostaria de saber que medidas efetivas o PT tomou em diminuir a corrupção e o apadrinhamento político, o enxugamento da máquina pública, o desvencilhamento do financiamento privado de campanhas, o investimento em infraestrutura… Não estou falando de aumento de renda, isso claramente foi feito, mas voltando ao tema da corrupção: o que o PT tem para apresentar de efetivo? Afinal, foi uma das bandeiras de sua campanha presidencial de 2002, ou não? O Sr. Lula e todos os seus associados simplesmente enriqueceram… Os escândalos estão por toda a parte… Não me venham jogar a culpa na Direita, pois para mim é muito difícil separar quem é quem, pelo menos no que tange à corrupção: todos os partidos políticos estão desgastados! Somente aqueles que não tem partido (ex. Marina Silva e Joaquim Barbosa) e por essa razão estão em situação mais confortável saíram “ilesos” das manifestações. Mas voltando ao tema da corrupção: é correto emprestar dinheiro a países africanos e depois anistiar mais de 700 Milhões de dólares sem mais nem menos? Por que razão a Dilma não fez um plebiscito para consultar a população sobre essa matéria, minha gente? Não se presta contas nesse país? O que o Sr. Renan Calheiros ainda está fazendo na Presidência do Senado Federal? Enfim, algumas perguntas que tem me causado certo desconforto…

    Curtir

    • Estou preocupado com o perfil de gente que está fazendo a leitura deste blog. Me parece um povo com perfil raivoso contra os governos de LULA e da Dilma. Só que por outro lado, estas pessoas não conseguem apresentarem o caminho correto, até porque, ele não existe. Isto porque, o que é correto para mim pode não ser o correto para o outro. O que é ético e moral para o outro pode não ser para mim e para você, portanto exercer a democracia é, na minha opinião, conviver com a diferença e aceitar a maioria sem baixar a cabeça. É estarrecedor alguém vir aqui e defender Joaquim Barbosa como o Cara ou Marina Silva como a diferente. Quem são estes ai, estudem um pouco gente, sobre os movimentos da Sra. Marina Silva, pragmatismo para alcançar o posto de presidenta da república e verás que não sobra nada de diferente. Por outro lado o famoso Joaquim Barbosa que canta de honesto, certinho, quado vê, tem problemas com aquisição de apartamentos e Miame, reembolso de recursos indevidos e por ai vai. A contribuição que o PT está dando no sentido de mudar a cara deste País não é pequena, acontece que a desgraça em que o País foi submetido é enorme. Volto a dizer que, as manifestações e as pautas de rua é reformista, portanto de cunho burgues. Falar de passar esse País a limpo sem mexer na malha fundiária, no mapa rural desta nação é não querer mexer no verdadeiro problema, alias diga se de passagem “é mais fácil, falar do mensalão do PT” que não quer dizer muita coisa frente ao mensalão do Tucanato, do que pautar a sociedade, o governo sobre a grande fortuna que poucos ganha a décadas para não dizer séculos neste Brasil varonil. então, penso eu, baixemos a bola, ninguém aqui tem o telhado protegido para falar de 10 anos do PT no governo, frente a este tempo elástico em que deixaram o Brasil entregue aos sangue sugas. as coisas tá ruim, mas, neste momento não é desgastando Dilma que avançaremos, pelo contrário, podemos voltar a trás e voltar ao passado onde só uma parcela de brasileiros tinham condições de Cidadania jamais, é para frente que se anda. Disto eu não abro mão.

      Curtir

      • Tião
        Concordo com vc. Os que aproveitam este blog para criticar Lula, Dilma e o PT não pensam em alternativas, quase todas sem expressão senão medíocres, sem a altura que o pais exige. Temos que pensar as coisas historicamente, quer dizer, o que é possivel fazer dentro de contextos dificeis que vem de séculos de abandono do povo e de puro patrimonialismo, vale dizer, aproveitamento do Estado para enriquecimento proprio. Precisamos de tempo para mover esse navio que por sua natureza não dá guinadas abruptas.
        lboff

        Curtir

      • Gostaria de ressalvar que aplaudo e defendo o direito a que todos se manifestem, independente de opiniões divergentes de minhas próprias, porém recomendo cautela ao insinuar que eu possa ter defendido ou enaltecido a Sra. Marina Silva ou o Sr. Joaquim Barbosa. Ao menos em minha mensagem, isso não ocorreu. Em caso de dúvida, recomendo a releitura. Muito bem, vamos ao segundo ponto: concordo que as alternativas são ruins, muito ruins, não vejo até o momento ninguém de quem se possa falar que esteja preparado para conduzir o País mas, de mais a mais, a Sra. Dilma não estava tampouco quando assumiu, não é verdade? Vide inclusive declarações de Lula e dela própria que causam embaraço até para quem não é militante do PT. Sr. Boff, por favor me avise se estou cruzando a linha aqui, pois se for esse o caso, respeitarei seu blog e me absterei de comentar, não estou aqui para polemizar, apenas acho que as ideias ficam mais claras à medida que se conversa civilizadamente sobre os assuntos. De novo, respeito a opinião de todos, apenas acho que essa “divisão” que se cria em torno de Direita e Esquerda é excessivamente maniqueísta e não serve para adequadamente retratar a realidade política dos tempos atuais, apenas para turvá-la. Mais uma vez, agradeço pela oportunidade de discutir o assunto civilizadamente. Obrigado e desculpem se fui de alguma sorte inconveniente pois não era minha intenção, em absoluto.

        Curtir

      • Este é o problema do brasileiro ideológico. Não importa se da esquerda ou da direita. Ambos querem provar que seu lado é melhor. Gostaria muito de acreditar que o governo atual tem futuro. Que não quer transformar o país num gigante parasitário, que não quer privilegiar grupos de empresários poderosíssimos. Infelizmente, não é o que se demonstra. Depois que Lula se uniu com alguns políticos antes inimigos número 1, francamente podemos esperar tudo. Quer uma sugestão de saída? Corte nos ministérios e nos cargos comissionados. Fora companheiros partidários das estatais. Deixem para os profissionais. Rigor na responsabilidade fiscal. Incentivo à micro e pequena empresa (imposto 0,quasenada e burocracia mínima!), com Sebrae apoiando ao máximo. Incentivo às pessoas crescerem nas pequenas cidades, em especial naquelas que possuem 90% da população dependendo da bolsa-família. Mais educação de base para acabar com as políticas compensatórias. FIES a juros zero (afinal, é dinheiro das loterias!). E parem de mexer nas bases estruturais econômicas do país, que foi a mola-mestre para o desenvolvimento do país na última década. Deixe a economia fluir, com muito incentivo ao empreendedorismo, um Estado pequeno, que investe em Educação, Saúde e Segurança. Querem vencer os latifúndios e grandes investidores? Usem a criatividade, sem a necessidade de simplesmente usurpar o patrimônio destes. Ou então comecem a rever a distribuição latifundiária primeiramente dos atuais amigos do governo. E parem de pagar por marketing nas mídias que duramente criticam. Enfim, comecem realmente a governar para o povo e para o progresso do país.

        Curtir

  90. Rafael
    Dá minha parte, creio que Tu não foi inconveniente, pelo contrário, Você colocou tua opinião e meu comentário não foi contra a tua opinião simplesmente, mas, foi sobre um conjunte de posts colocados. A verdade é que eu não acho que as saídas são fáceis e tem gente que pensa assim, me parece. Para isto, vejamos o post do Paulo, ele trás saídas que na minha visão não resolverá, pois, ele fala do Estado mínimo, do ponto de vista organizacional (cortar nos ministérios) e do Estado máximo do ponto de vista de não intervir no mercado. Eu sou contra, e sou porque isto já foi feito com o Consenso de Washington (neo liberalismo) que não deu certo e ainda tem resquícios fortes na América Latina toda e no Brasil não é diferente. Para mim o Estado tem que ser máximo do ponto de vista do protecionismo da pequena e média empresa, da pequena agricultura, do seu povo mais humilde e ele tem que ser ágil no que se refere a concretização da reforma agrária. Penso ainda que tem três temas circunstancias que deve ser pauta de debate para essa nova saída. A 1 (um), é preciso uma nova matriz educacional uma educação que priorize o ser humano e não o mercado. A 2 (dois) é preciso investir pesado em uma nova forma de comunicação social, nosso povo não pode continuar a reproduzir o que a grande mídia professa, a liberdade de imprensa é importantíssima e por isso mesmo os canais públicos de comunicação devem ser a altura dos canais com concessão estatal. E 3 (três) é preciso inaugurar um novo poder nesta ideia de poder tripartite, precisa-se de um quarto poder que a meu ver tem que ser o poder de decisão popular, o que hoje existe é um ping e pong de três lados: o executivo, legislativo e Judiciário, sendo que os três estão de uma certa forma viciados, só é possível reconhece-los se o quarto poder (o popular) tiver igual peso nas definições.
    Depois Paulo, me permita, ideológicos somos todos, ou não? Ou você imagina que em teu post aqui não tem um carrego enorme de ideologia de centro, de proteção ao mercantilismo? E por fim a reforma agrária tem que acontecer independente de quem seja o concentrador de terras, pois, ai a gente mostra que quer um país para todos e não para alguns em detrimento do sacrifício das políticas compensatórias para a grande maioria que por não ter outra coisa, batem palmas às bolsas.

    Curtir

    • Bom, estamos quase chegando em um acordo. O mínimo do Estado depende do ponto de vista. O protecionismo dos pequenos pode ser feito através de estímulos fiscais, financiamentos baratos (ou com capital de risco) e muito, muito treinamento dos empresários (aí entra o SEBRAE ou EMBRAPA). Mas não precisa de um Ministério cheio de cargos comissionados para cuidar disto. Nem precisa criar imposto adicional. Dizer que o modelo econômico dito neoliberal não deu certo é um pouco demais. Que eu saiba, a Thatcher usou o conceito neoliberal e transformou Inglaterra em uma potência. Mesmo no Brasil, onde dizem que o FHC pôs em prática o neoliberalismo, também deu certo. As bases econômicas para o crescimento foi feito neste período. As privatizações acabaram com as estatais ineficientes e caras. Obviamente, sempre são necessários ajustes. Mesmo os EEUU não são totalmente liberais. Basta ver o protecionismo que eles possuem para determinados segmentos. E lá também há programas de apoio às pessoas sem emprego, assim como há excelentes escolas públicas. Já se falarmos em controle total do Estado, veja o que ocorreu na Alemanha nazista e, hoje, na Coréia do Norte. Mas também temos o exemplo da China, comunismo que está indo em direção ao capitalismo. Comentando as sugestões do Sebastião: A1 – Educação humanizada e não voltada ao mercado. Eu não sei bem o que isto significa. O que sei é que precisamos de Administradores, Engenheiros, Médicos, Técnicos, Professores e por aí vai. Sem profissionais não há geração de riquezas. E a tendência corporativa atual é que os profissionais valorizem cada vez mais as pessoas, ao invés dos números, mas sem se esquecer dos resultados. E tudo começa na Educação Infantil. A2 – Canais públicos já existem hoje. Por que ninguém assiste? Acho que é porque preferem novelas, boas imagens, bons atores, enfim, tudo aquilo que o marketing é capaz de vender. Quer mudar isto? Introduza nas Escolas muita construção literária, competições culturais estudantis, aulas de teatro, dança, música, agricultura, história antiga e moderna, visitas à museus e por aí vai. Aula em período integral (grande Brizola!), professores bem pagos e motivados. Mude o hábito e não o controle. A3 – Participação popular é feita através do voto e da cobrança dos representantes votados. Só que hoje nem sabemos em quem votamos. Já que o voto é obrigatório, por que não é obrigatório a prestação de contas periódicas dos políticos ao povo? (Particularmente, sou favorável ao Voto Distrital). Enfim, o que precisamos é de um equilíbrio. Liberdade individual com proteção de um Estado Mínimo, onde o mínimo é discutível. Sem grandes estatais, com muitas pequenas empresas, com muito desenvolvimento tecnológico e pouco custo operacional. Tudo levando o ser humano à um bem-estar social e evoluindo para a qualidade de vida desejada. Obviamente que nada é fácil, mas temos que parar de ficar olhando e culpando o passado e passarmos a planejar o futuro. Sem muita retórica e sem a necessidade de planos mirabolantes. Pequenas e muitas ações são bem melhores.

      Curtir

  91. Muito bem colocado, Maria Graças! O pior reacionário, é o reacionário de esquerda que não entendeu ainda que o sonho de comunismo-socialismo está definitivamente enterrado! Não deu certo! Os únicos resultados que essa ideologia gerou para a humanidade foram várias dezenas de milhões de assassinatos, em nome do “os fins justificam os meios”. Eu costumo dizer que existem três pré-condições para o comunismo-socialismo se instalar em um país. O país deverá estar dominado pela ignorância (1), tirania (2) e miséria (3). E para que o comunismo-socialismo sobreviva é indispensável a permanência dessas três condições. 1) De nada adianta ensinar a ler, se os tiranos impõem o que pode e o que não pode ser lido. Assim, o povo continua ignorante, por mais que saiba ler e escrever! 2) É necessário que prevaleça a miséria para que o governo seja o provedor de alimentos. 3) E é indispensável a tirania (ditadura) para intimidar aquelas pessoas que não se conformam viver apenas para comer dentro de uma gaiola. Meus cachorros tem comida e tratamento médico gratuitos, mas tem que viver dentro do meu cercado. Eles não tem liberdade de ir para onde quiserem! O grande problema é que muitos seres humanos não se conformam em viver como os meus cachorros! Para compreender melhor, na prática (filosofia é só filosofia), o resultado dessa infeliz ideologia, basta comparar Alemanha Oriental e Alemanha Ocidental (hoje novamente um único país). Para não ir muito longe, vamos comparar Coréia do Norte e Coréia do Sul, cuja diferença na vida da população é brutal. Os habitantes da Coréia do Norte vivem de esmolas da China e da própria Coréia do Sul. Que ideologia é essa meu Deus???? Como é que tem gente que ainda se agarra a essa coisa????

    Curtir

  92. Sou fã incondicional do Frei, profeta, teólogo e filósofo Leonardo Boff. Ele diz verdades profundas, irrefutáveis e inquestionáveis.

    Curtir

  93. O perverso comunista Leonardo Boff, pode enganar só os babacas,degenerados,pederastas,analfabetos,drogados e os analfabetos da bolsa familia! O Boffe, porque escondes que os melhores países de se viver são os “capitalistas” como Japão,Alemanha,Suecia,Noruega,Finlândia,Suiça,Holanda,Austria e outros, enquanto que os mais miseraveis países são os socialistas, como a China,Vietnã,Coreia do Norte,Cuba,Moçambique e Angola!Boff,tu vai queimar no inferno com as tuas mentiras comunistas!

    Curtir

    • Nicolae,
      Além de mal educado e caluniador vc tem um positivo. Realizou o que Einstein disse: ele identificou dois infinitos: o universo e o número dos imbecis. Do primeiro infinito tinha dúvidas. Do segundo plena certeza. Vc está de parabens. Está firme no segundo infinito.
      Vê se sai de lá aprendendo a conviver num mundo democrático que acolhe as diferenças e não se mostra tão fundamentalista imbecilizado como seu texto revela.
      lboff

      Curtir

      • A Rússia e Europa do Leste são a Tumba do comunismo! Cuba o mais miserável país da América Latina de onde fugiram já 2 milhões de cubanos e nenhum Latinoamericano não vai em Cuba! Morte aos exploradores comunistas!

        Curtir

      • Bem, achei a maneira do Nicolae colocar nada educada e bastante caluniadora. Porém é fato que o comunismo é um fracasso, assim como todo modelo que se baseia em estado hipertrofiado. O problema dos sistemas utópicos (como o comunismo e as religiões) é que erguem uma imagem idealizada do homem, ao invés de se debruçar no homem (não todos, mas a maioria) de fato como ele é: ambicioso e egoísta. O capitalismo deu certo porque aceitou essa (trágica porém verdadeira) realidade.

        Curtir

  94. “As ruas estão gritando por um Brasil de gente e não por de negócios e negociatas”. E mesmo assim o sr. coloca sua imagem em prol de um governo que não fez outra coisa que não seja maracutaias. negociatas, corrupção, roubo deslavado do erário público.
    Parabéns frei por suas palavras ao vento.

    Curtir

  95. quanta idiotice filosofal, so podia sair de um “pensador” petista – antes de ser taxado como partidario do PSDB, nunca fui eleitor dessa sigla, mas me decepcionei muito com o PT quando assim como milhares de brasileiro ajudamos a eleger o Lula como sendo a renovação de uma elite burguesa que existia antigamente no poder.

    Curtir

    • Valdir, nunca fui petista nem inscrito no partido. Apenas me interesso pelo projeto político que confere centralidade aos pobres, coisa que nenhum governo anterior fez, talvez, Vargas.
      lboff

      Curtir

  96. EU DISCORO DO QUE ESTES FALA DE LULA E DILMA
    FOI NESTA EPOCA QUE A VIDA FICOU MAIS DIFICEIS;;;;Eu nem seio porque a vida foi severa comigo, não fui um bom homem que eu tinha de batalha, naquilo que eu queria aruma,tudo foi muito dificil ate na decadas dos presidentesFHC, que eu pensava que eu ia ser um homem k presisava. foi ruim porque na minha infacia,eu alkansei uns governos ruins eu perdi tudo na minha vida, porque não era igual oje que tem uns governos bonsLULA E DILMA que esta dando prioridades para os jovens,se eu quis,foi corer atrais de uma profição de motorista senão eu ficava na Burara de Cacaú rosando cacau, para os outros e puxando cobras para os peis. formigas e e outras coisas ruim. oje os governos bons esta ai DILMA E LULAdando Prioridades para nos, menos favorecidos, minha juventude ja se foi,e eu fiquei do lado de baiixo nada so encontrei tristesa e nada mais hoje Tu EU GANHO MEU PÃO COM MUITA DIGNIDADE! A VIDA PODEM FALAR O QUE QUISER EU NÃO OUVI ,NÃO OUÇO ,NÃO OUVIREI CAMINHÃO MINHA VIDA, MINHA PAIXÃO. NOITES SEM DORMIR, NOITES REBITADAS, ENCALHADO, QUEBRADO, ESPERANDO PRA CARREGAR, ESPERANO PARA DESCARREGAR, NATAL, ANO NOVO FIM DE SEMANA NO TAPETE PRETO…UFA..TEM MAIS COISA AINDA PEDÁGIOS CAROS, ÓLEO CARO,FRETES BAIXOS, ESTRADAS, HORRÍVEIS ASSALTOS…E MAIS OUTRAS COISAS, NÃO TEM QUE GOSTAR DESSA PROFISSÃO TEM QUE AMA LA E ADORAR ESSA FACULDADE DE MALUCO Sou Viajante solitário, Que carrega seu rosário No painel do caminhão Sou Um honesto brasileiro, O melhor caminhoneiro Que cruza este sertão… Eu Nasci pra ser viajante, Eu sou cobra no volante Com muitas léguas de chão… Meu Trucadão barra pesada, dino rex rei da estrada Nunca perde a direção… Sou Qual buzina de um comboio, Que madruga todo dia… Minha vida é viajar, Sou O amor que alguém espera Sou portador da alegria… Quando é hora de chegar? Sou O artista da estrada, Representa quase nada… Distância do caminhão… Sou Estradeiro de verdade, Passo e deixo uma saudade… Sempre chora um coração… Eu Piso fundo, sigo avante, Solto as rédeas do possante É lá na imaginação, Coração De saudade carregado Muito!! Categoria: Casa e Família Dono: Você do mudou,mais eu cofiio em Deus que vai ficar bom; obrigado meu Deus que ainda esou vivo Mas, quando reparou no vento, ficou com medo e, começando a afundar, gritou: “Senhor, salva-me!” Imediatamente Jesus estendeu a mão e o segurou. E disse: “Homem de pequena fé, por que você duvidou?” Quando entraram no barco, o vento cessou. Mateus 14:30-32 Pensamento: Esta história de Pedro e Jesus é puro Evangelho. O homem reconhece o quanto precisa de Deus, tenta alcançá-lo e fracassa. Mas é salvo por Deus quando ele descobre o quanto precisa dEle. Ajudar pessoas com pouca fé não é problema para Jesus. Ele tem fé suficiente para todos nós. E as nossas dúvidas? Podemos levá-las também para Jesus. Ele aceita. Ele nos ajuda na hora da fé e na hora da dúvida. O amor dele é tão grande assim. A ajuda de Jesus não é condicionada à força da sua fé. Graças a Deus! De fato, como Paulo descobriu, parece que quanto mais você começa a perceber suas fraquezas, mais ainda sobra a graça de Deus para lhe ajudar. Quando sua fé estiver definhando nos sopros do vento e nas ondas de dúvidas, lembre-se de onde vem o seu socorro – vem do Senhor. Mesmo na dúvida, olhe para Ele, clame a Ele. Você já verá a mão dele se estendendo. Só precisa estender a sua para agarrá-Lo.Senhor Jesus, luz divina que ilumina a vida de cada ser humano, ilumina-me com Tua luz inextinguível. Não me deixes por cegueira ou por irresponsabilidade de minha parte, caminhar nas trevas do erro. Afugenta do meu coração toda escuridão, toda treva, toda resistência que não me deixa viver amparado por Tua luz, que me conduz à Salvação eterna. Brilha, Jesus, sobre mim, com tua luz poderosa. Que Tua luz me ajude a trilhar os caminhos da verdade, da justiça e da honestidade. Faze-me cada vez mais crer em Ti e na Tua santa Palavra. Ajuda-me, também, a viver unido na família, no trabalho e com todas as pessoas que colocas em meu caminho. Que a luz do Espírito Santo me ajude a crer e a testemunhar publicamente min

    Curtir

  97. Após dois empréstimos no FMI, em 1998 e 2001, em agosto de 2002 o governo FHC recorreu novamente ao FMI; ministro Pedro Malan, da Fazenda, assinou acordo de US$ 30 bi; no ano seguinte, em abril, o recém eleito Lula quitou dívida com US$ 4,2 bi; não houve mais tomdas de crédito; Brasil até emprestou US$ 10 bi para o Fundo enfrentar crise mundial; hoje, governo tem reservas internacionais de US$ 379 bilhões; “Eles quebraram o Brasil, nós pagamos o FMI”, disse ontem presidente Dilma Rousseff

    Curtir

  98. – “No Brasil se fez até agora apenas distribuição desigual de renda, mesmo nos governos do PT. Quer dizer, não se mexeu na estrutura da concentração da renda. O que precisamos, urgentemente, se quisermos mudar a face social do Brasil, é introduzir uma redistribuição que implica mexer nos mecanismos de apropriação de renda. Concretamente significa: tirar de quem tem demais e repassar para quem tem de menos. Ora, isso nunca foi feito. Os detentores do ter, do poder, do saber e da comunicação social conseguiram sempre impedir esta revolução básica”

    Sem mexer na produção, tudo isso não passa de bazófias do malogro e cânticos da impotência. Uma forma de fingir que defende mudança sem defender mais que os “detentores do poder”.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s